Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

5 de agosto de 2013

Angeologia - Teologia 02.48 - O Arcanjo Miguel

Angelogia - Teologia 02.48
 
O Arcanjo Miguel

Miguel tem seu correspondente no grego “Michael e no hebraico mika'el. O nome Miguel é muito expressivo, “quem é como Deus?” Em que aspecto ele é semelhante a Deus não foi revelado, mas temos três passagens nas quais ele foi diretamente mencionado e onde vemos que ele tem grande autoridade. De acordo com Dn 12.1, ele é o “defensor do povo de Daniel - Israel”. Em Judas 9 ele


teve uma controvérsia com Satanás sobre o corpo de Moisés; mas nessa situação e apesar de toda a sua grandeza, ele não se atreveu a “proferir juízo infamatório contra ele”, mas confiando na sua dependência de Deus, ele declara: “...o Senhor te repreenda”. Miguel se encontra novamente na predição registrada em Ap 12.7-12. Ele, como chefe dos exércitos do céu, participa de uma batalha vitoriosa no céu contra Satanás e os seus anjos. Temos ainda a revelação de que a “voz do arcanjo” será ouvida quando Cristo voltar para buscar a Igreja (1Ts 4.16).

A tradição sobre a existência de arcanjos não fazia parte original da fé judaica. Assim, na literatura bíblica, Miguel é introduzido em Dn 10.13,21 e 12.1 e reaparece no Novo Testamento em Jd 9 e Ap 12.7. Embora algumas literaturas tenham Gabriel como outro Arcanjo (totalizando sete na literatura apócrifa e pseudepígrafa, onde quatro nomes são revelados: Miguel, Gabriel, Rafael e Uriel), a Bíblia só revela a existência de um único Arcanjo, Miguel. Isto é demonstrado pelo fato de que nas duas ocorrências da palavra grega archangelos, “arcanjo”, 1Ts 4.16 e Jd 9, o termo só aparece no singular, ligado unicamente ao nome de Miguel, donde se conclui biblicamente que só exista um anjo assim denominado Arcanjo, ou anjo-chefe, e que esse Arcanjo chama-se Miguel.

O Miguel que se pode encontrar no Novo Testamento surge no Antigo Testamento apenas no livro de Daniel, à semelhança de Gabriel, é um ser celestial. Tem, no entanto, responsabilidade especiais como campeão de Israel contra o anjo rival dos persas (Dn 10.13,21), e ele comanda os exércitos celestiais contra todas as forças sobrenaturais do mal na última grande batalha (Dn 12.1). Na literatura judaica recente, bem como nos apócrifos e pseudepígrafos, o nome de Miguel é apresentado como guardião militar e intercessor de Israel.

No Novo Testamento, Miguel aparece apenas em duas ocasiões. Em Jd 9, há referência a uma disputa entre Miguel e o diabo com respeito ao corpo de Moisés. Essa passagem é bastante polêmica. Orígenes acreditava que isto estaria registrado num apócrifo chamado de “Assunção de Moisés”, mas a história não aparece nos textos existentes, porém incompletos, desta obra. A literatura rabínica posterior parece ter conhecimento desta história. O outro texto em que Miguel aparece, é Ap 12.7, que retoma o tema de Dn 12.1, apresentando-se Miguel como sendo o vencedor do dragão primordial, identificado como Satanás.





Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.



Reações:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...