Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

5 de agosto de 2013

Angeologia - Teologia 02.53 - Governadores - Anjos Especialmente Nomeados

Angelogia - Teologia 02.53
 
Governadores

Há indicações de que existam organizações entre os anjos bons. Em Cl 1.16, Paulo fala de tronos, soberanias (domínios), principados e potestades (poderes) e acrescenta que foram criados por intermédio dEle e para Ele. Isto parece incluir que ele está se referindo aos anjos bons. Em Efésios 1.21, a referência parece incluir tanto os anjos bons quanto maus. Nas outras passagens, essa terminologia se refere definitivamente apenas aos anjos maus (Rm 8.38; Ef 6.13; Cl 2.15).

a) Tronos (thronoi) se referem a seres angélicos, cujo lugar é na presença imediata de Deus. Esses anjos são investidos de poder real que exercem sob Deus;

b) Domínios (gr. kuriotetes) parecem estar próximos dos thronoi em dignidade;

c) Principados (gr. archai) parecem se referir a governantes sobre povos e nações distintos. Assim, Miguel é tido como príncipe de Israel (Dn 10.21; 12.1); assim lemos também a respeito do príncipe da Pérsia e do príncipe da Grécia (Dn 10.20). Isto é, cada um é um príncipe em um destes principados;

d) Poderes – potestades (gr. exousiai) são possivelmente autoridades subordinadas, servindo sob uma das outras ordens. É verdade que não podemos saber com certeza o significado real desses termos, mas esses acima parecem ser uma explicação plausível. 

Anjos Especialmente Nomeados

Certos anjos só ficaram conhecidos pelo serviço que prestaram. Destes, temos aqueles que serviram como anjos de juízo (Gn 19.13; 2Sm 24.16; 2Rs 19.35; Ez 9.1,5,7; Sl 78.49). Vejamos:

a) Vigilantes (Dn 4.13,23). Os “vigias” (aram. irin, correlato com o heb. ur, “estar acordado”) são mencionados somente em Daniel 4.13,17,23. São os “santos” que promoviam zelosamente os decretos soberanos de Deus, e demonstravam o senhorio de Deus sobre Nabucodonosor.

b) Anjo do abismo (Ap 9.11). “Tinham sobre si rei o anjo do abismo, cujo nome em hebraico é Abadom e em grego Apoliom” (Ap 9.11). Abadom (ou Apoliom) é identificado, tal como sucede como muitíssimos outros elementos do Apocalipse, de muitas formas variadas. A seguir damos os principais pareceres sobre Abadom ou Apoliom: (a) É possível que o “anjo-estrela” do primeiro versículo (Ap 9.1) esteja aqui em pauta, portanto ele é quem tem o poder de abrir o abismo; (b) as interpretações “simbólicas” não vêem aqui qualquer “ser” em particular, mas apenas a manifestação do “princípio do mal” de várias formas;

(c) tradicionalmente, Satanás é reputado o “rei do mundo inferior”, a personificação do mal e daquilo que ele produz neste caso, a “destruição”. Portanto, vários intérpretes supõem que Satanás está em foco neste passo bíblico;

(d) há precedentes, entretanto, para supor-se que o “rei do hades e Satanás são personalidades distintas”. Se o vidente João alude aqui a esse tipo de tradição, então o “rei” (o “destruidor”) neste caso será um elevado poder maligno, um arcanjo das trevas, por assim dizer, mas não o próprio Satanás. Não obstante, poderíamos supor que esse poder maligno está sujeito à autoridade do diabo. Dentre essas interpretações, a de número quatro (d) é a mais provável.





Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.



Reações:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...