Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

23 de maio de 2015

Estudo da Fé - Teologia 19.04 - A Cura Faz Parte do Evangelho

Estudo da Fé - Teologia 19.04


A Cura Faz Parte do Evangelho

Paulo pregava o evangelho da salvação que incluía a cura. A Bíblia simplesmente chama-o de evangelho.  Como sabemos que é assim? vejamos Romanos 1.16.

ROMANOS 1.16
16 Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que' crê, primeiro do judeu e também do grego.

Uma nota no rodapé da Bíblia de Scofield diz: "As palavras hebraica e grega para salvação dão a idéia de libertação, segurança, preservação, cura e perfeição".
Não me envergonho do Evangelho de Cristo! Pois é o poder de Deus para libertação, segurança, cura e perfeição. Paulo pregava o evangelho pleno, e não apenas parte dele.
Os trechos também mostram que a cura faz parte do evangelho pregado.

ATOS 8.5-8
5 Filipe, descendo à cidade de Samaria, ANUNCIA­VA-LHES A CRISTO [o evangelho].
6 As multidões atendiam, unânimes, às coisas que Filipe dizia, ouvindo-as e vendo OS SINAIS que ele operava.
7 Pois os espíritos imundos de muitos possessos saíam gritando em alta voz; e muitos paralíticos e coxos foram CURADOS.
8 E houve grande alegria naquela cidade.

Observe no versículo 7 o fato de que os sinais vinham após pregação do evangelho. Aqueles milagres de cura e libertações foram realizados como resultado do anun­ciar a Cristo.
O Novo Testamento não conhece nenhum Cristo que não seja o Médico dos médicos.
A cura física — cura divina — faz parte do evangelho. Se não existe o evangelho da cura hoje em dia, então nenhum de nós, tão pouco, possui algum evangelho da salvação para ser pregado, pois a cura faz parte de expiação (ls 53.4,5).
P.C. Nelson era um ministro batista de renome. Ele disse,
"A cura é parte integrante do evangelho". Na época em que ele pastoreava uma igreja em Detroit, Michigan, em 1921, Rev. Nelson foi atropelado por um automóvel.
Os médicos disseram-lhe que uma de suas pernas teria que ser amputada até os joelhos. Mesmo que acontecesse um milagre e não tivesse que amputá-la, o médico lhe disse que no mínimo sua perna ficaria entre-vada pelo resto de sua vida.
Contudo, enquanto estava no hospital, o Senhor co­meçou a falar com ele. O Senhor trouxe a sua mente Tiago 5.14 e 15.

TIAGO 5.14,15
14 Está alguém entre vós doente? Chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele, ungindo-o com óleo em nome do Senhor.
15 E a oração da fé salvará o enfermo, e o Senhor o levantará, e, se houver cometido pecados, ser-lhe-ão perdoados.

O Rev. Nelson tentou desculpar-se diante do Senhor dizendo que na sua igreja não faziam assim. Então o Senhor o fez lembrar de um homem e sua esposa que eram amigos dele e que criam na unção com óleo, de acordo com estes versículos.
O Senhor disse para o Rev. Nelson chamá-los para orar com ele, e ele assim o fez. Eles vieram e o ungiram com óleo e oraram, e ele foi curado. Sua perna não foi amputada, nem ficou entrevada.
A Palavra de Deus é verdadeira. A Bíblia diz:... a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus (Rm 10.17 ARC).
Há muitos anos, no Texas, um excelente pastor de uma igreja tradicional tinha um ministério de grande destaque. Suas campanhas evangelísticas abrangiam cidades inteiras e eram o resultado da combinação de esforços de várias igrejas.
Ficou doente, no entanto, e conforme o seu próprio testemunho, a enfermidade consumiu todo o seu dinhei­ro num período de dois anos.
Ele tinha US$ 10.000 no banco, o que era uma quantia enorme naquela época. Por causa da enfermidade, não só todo esse dinheiro se foi, como também teve que vender sua casa, seu automóvel e muitos dos seus livros a fim de pagar as despesas médicas.
Tratou-se em vários lugares, inclusive na Clínica Mayo, tentando receber auxílio médico. Apesar disso, não houve melhora, pelo contrário, seu estado piorou.
Por fim, foi internado na Califórnia. O médico disse-lhe que morreria. O ministro contatou seu irmão que vivia na Califórnia para pedir algum dinheiro empresta­do, pois queria ir para sua casa, no Texas, onde preten­dia morrer.
A mãe, com oitenta e três anos de idade, morava no Texas, e ele queria vê-la antes de morrer. Então, seu irmão enviou-lhe o dinheiro, e ele foi para casa.
Foi morar com sua mãe no lugar onde crescera, no Texas. Sua mãe ficou feliz em revê-lo. Ele contou-lhe que iria morrer.
Certo rapaz de 19 anos de idade, que fazia as tarefas da casa e do quintal para aquela mãe idosa, tomou-se seu enfermeiro. Ele tinha que virá-lo na cama e vesti-lo.
Certo dia o rapaz lhe disse: "Você não gostaria de deixar o Senhor curá-lo? A Bíblia diz que se há alguém doente entre vós, chame os presbíteros da igreja, e estes façam oração sobre ele" (Tg 5.14,15).
Aquele ministro, que supostamente conhecia a Bíblia, não sabia que aqueles versículos estavam na Palavra. Ele foi para um seminário e estudou de tudo, menos a Bíblia.
Ele pediu para o rapaz pegar a Bíblia e encontrar estes versículos, mas o rapaz não sabia ler. Perguntou então como ele sabia que este trecho estava na Bíblia.
O rapaz explicou que o pregador local assim lhe dissera. Então aquele pastor tradicional encontrou o trecho e o leu.
O moço disse-lhe que o pregador estava conduzindo uma campanha de cura divina num abrigo feito de ga­lhos cortados e convidou o pastor para ir lá.
Então, ele foi levado à reunião num velho automóvel Ford modelo T, cujo assento traseiro serviu-lhe de cama.
Levaram o automóvel para o ponto mais próximo possível do abrigo, e depois da reunião o pregador foi até lá, ungiu-o com óleo, e orou por ele.
Chegaram em casa depois da meia noite. Mesmo assim, ele pediu para sua mãe deixar o rapaz esquentar o fogão a lenha, para que ela fritasse ovos e presunto (ele se alimentava somente de comida para nenês e alimentos semilíquidos. Durante mais de dois anos era essa a sua dieta).
O homem disse à sua mãe que fora curado. Contou-lhe que o pregador o ungira com óleo e orara por ele.
Mais tarde, sua mãe contou que enquanto o ouvia falar, pensou que ele perdera o juízo.
Também pediu para sua mãe fazer alguns biscoitos tradicionais do interior para comer. Ela pensou que já que ele morreria de qualquer forma, seria melhor que morresse feliz; então, ela fez os biscoitos e preparou os ovos e o presunto. Ele comeu tudo e não passou mal; estava completamente curadoI
Aquele ministro começou a escrever sobre sua cura, bem como artigos em diversas revistas. Começaram a surgir convites para que conduzisse campanhas de reavivamento.
Programou-se uma campanha de reavivamento para abranger toda a cidade do Kansas.
Antes daquele culto em que fora curado, o rapaz dissera ao pastor que ele precisava ser cheio do Espírito Santo.
Aquele pastor relatou que, depois de curado, estava pronto para crer em qualquer coisa que o rapaz lhe explicasse; assim, perguntou ao rapaz o que deveria fazer.
O rapaz explicou-lhe como receber o batismo com o Espírito Santo, e convidou-o para outra reunião no abri­go de galhos cortados. Quando fizeram o apelo, foi à frente, e recebeu o batismo com o Espírito Santo.
Aquele pastor já foi para a glória, mas seus escritos têm sido uma bênção para muitas pessoas. Como aquele homem obteve a fé para ser curado? Pelo ouvir da Palavra de Deus.
Marcos 5.25 relata a estória da mulher que padecia de uma hemorragia por um período de doze anos. A Palavra de Deus relata que ela despendera todos o? seus bens em tratamentos médicos sem, contudo, obter alguma melhora. Então, ouviu falar de Jesus.

MARCOS 5.27,28,34
27 Tendo ouvido a fama de Jesus, vindo por trás dele, por entre a multidão, tocou-lhe a veste.
28 Porque dizia: Se eu apenas lhe tocar as vestes, ficarei curada...
34 E Ele [Jesus] lhe disse: Filha, a tua fé te salvou; vai-te em paz, e fica livre do teu mal.

Como esta mulher obteve a fé para receber sua cura? Ela obteve a fé ... tendo ouvido falar de Jesus... (Mc 5.27).
Em 1953, preguei em Dallas numa igreja do Evange­lho Pleno por várias semanas. Ficou combinado, então, que ficaria por mais três meses para cobrir a licença do pastor daquela igreja. Além de pregar nos cultos regulares, tinha um programa diário no rádio e também dirigia um culto especial para missões nos finais de semana.
Logo depois do término de um culto na noite de sexta, um dos introdutores veio e disse-me que um casal de Forth Worth estava lá fora para falar comigo. A mulher estava doente e queria ser curada.
O marido relatou que, certa manhã, quando ia para o serviço, ouviu o meu programa no rádio.
Ao ouvir o meu ensino no qual dizia que a cura é para todos, contou a sua esposa, e passaram a ouvir diaria­mente o programa.
Sua esposa passara por duas operações cirúrgicas delicadas, e iria ser operada pela terceira vez. Eles oraram que, se fosse a vontade de Deus curá-la, Deus lhes daria fé para crerem que ela seria curada.
Assim, vieram para que orasse por ela. Expliquei-lhes que não era bíblico orar por cura usando as palavras se for de Sua vontade.
Quando você coloca um "se" ao orar por qualquer promessa da palavra, está orando com dúvida.
Algumas pessoas pensam que estão sendo humildes ao orarem assim, mas de fato, estão sendo ignorantes.
Em outras palavras, quando você faz a oração da fé, não usa um "se". Você não terá a resposta à oração da fé se colocar um "se" em suas orações.
Quando você ora a oração de consagração, rendendo sua vida ao plano de Deus, pode usar a expressão "se for de Sua vontade", porque, neste caso, você não tem certeza da vontade de Deus.
A oração de consagração não é para mudar as cir­cunstâncias. Mas a oração da fé o é. "Se" é um termo que expressa dúvida e, assim, não pode ser usado para a oração cujo objetivo é mudar uma situação.
Embora tivesse citado no rádio alguns trechos bíbli­cos sobre a fé, o homem não os entendera bem, porque não tinha certeza se era a vontade de Deus que sua esposa fosse curada.
Perguntei-lhe: "Se o Novo Testamento diz que Jesus tomou sobre si as enfermidades de sua esposa e as carregou com as doenças dela, por que não seria a vontade de Deus que ela fosse curada?"
Ele concordou que seria. Então mostrei-lhe Mt 8.17.

MATEUS 8.17
17 Para que se cumprisse o que fora dito por meio do profeta Isaías: ELE MESMO TOMOU AS NOSSAS ENFERMIDADES E CARREGOU COM AS NOSSAS DOENÇAS.

Ele percebeu, juntamente com sua esposa, que era a vontade de Deus que ela fosse curada. A seguir, mostrei-lhes 1 Pe 2.24.

1 PEDRO 2.24
24 carregando ele mesmo em seu corpo, sobre o madeiro, os nossos pecados, para que nós, mortos aos pecados, vivamos para a justiça; POR SUAS CHAGAS FOSTES SARADOS.

Consultamos então o livro de Isaías.

ISAÍAS 53.4,5
4 Certamente ele tomou sobre si as nossas enfermi­dades, e as nossas dores levou sobre si, e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
5 Mas ele foi traspassado pelas nossas trans­gressões, e moído pelas nossas iniqüidades; o cas­tigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados.

O casal disse que tudo o que precisavam naquele instante era a fé. Sabiam que era a vontade de Deus curar.
Disseram que sabiam que eram salvos; foram à frente num apelo na igreja e fizeram a oração de confissão. Por isso sabiam que eram salvos.
Perguntei-lhes se tinham pedido fé a Deus quando foram à frente aceitar a Jesus. Disseram que não. O homem explicou que o pastor pregara que podiam ser salvos. O pastor lera a Palavra para as pessoas.
Em outras palavras, ouviram a Palavra e veio a fé para a salvação. Tiveram fé para a salvação porque a Bíblia diz:... a fé é pelo ouvir, e o ouvir pela Palavra de Deus (Rm 10.17 ARC).
Então expliquei-lhes que a partir daquele momento eles tinham também a fé para a cura, pois tinham ouvido a Palavra de Deus.
O homem disse que jogaria fora sua primeira oração porque não servia. Concordei com ele. Observe que tão logo chega a luz da Palavra, a fé passa a existir.
O casal passou a ter fé porque ouviu e compreendeu a Palavra de Deus.
A mulher concordou e disse que tudo que tinha a fazer era crer em Jesus como Aquele que Sara.
Então impus minhas mãos nela e orei. Perguntei-lhe se fora curada. Ela respondeu que sim porque a Palavra de Deus assim dizia.
Durante o culto do domingo seguinte, eles vieram e perguntaram se podiam compartilhar uma palavra com a congregação. Então o homem contou o que lhes aconte­cera.
Ele disse que quando chegaram em casa na sexta à noite, sua esposa tirou seu apoio, jogou-o no armário, e disse: "Graças a Deus, estou curada".
No dia seguinte, quando chegou em casa, encontrou-a encurvada sobre a pia, lavando os cabelos, algo que antes não era capaz de fazer. A mulher fora completamente curada!
Também impus as mãos no casal, e eles foram cheios do Espírito e passaram a falar em línguas.
Anos mais tarde, ela ainda estava curada. Como obteve sua fé? Pelo ouvir da Palavra de Deus!
Aquele homem também trouxe sua mãe no domingo para que orássemos, pois estava paralítica numa cadei­ra de rodas. Quando oramos por ela, levantou-se da cadeira e andou, completamente curada.
No evangelho de Jesus Cristo, temos provisão para toda necessidade — salvação, libertação, segurança, preservação, cura e perfeição. Qualquer que seja sua necessidade, a fé para receber a resposta vem pelo ouvir da Palavra de Deus.
Quando você resolve em seu coração alimentar-se continuamente da Palavra, perceberá que sua fé cres­cerá para o capacitar a receber as maravilhosas pro­messas que Deus tem concedido aos seus filhos.




Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA

Reações:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...