Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

31 de janeiro de 2016

Estudo da Fé - Teologia 19.128 - Suas Emoções Nada Têm a Ver Com o Falarem Línguas

Estudo da Fé - Teologia 19.128

Suas Emoções Nada Têm a Ver Com o Falarem Línguas

Lembro-me de como o diabo tentava me confundir a respeito do falar em outras línguas. No início, não per­cebi que era o diabo. E a minha própria mente natural, que não estava plenamente renovada e educada com a Palavra de Deus, também concordava com o diabo, dizendo: "Você está perdendo o seu tempo".
Finalmente reconheci que aqueles pensamentos vi­nham do inimigo, e assim dizia: "Ficarei aqui e orarei por uma hora em línguas (muitas pessoas pensam que sua oração em línguas está surtindo efeito somente se sen­tirem alguma espécie de êxtase ou emoção. Mas os sentimentos não têm nenhuma relação com a oração no Espírito).
Assim, dobrava os meus joelhos e começava a orar em línguas. Paulo disse: Dou graças a Deus, porque falo em outras línguas mais do que todos vós (1 Co 14.18).
Você não precisa sentir nada para começar a orar em línguas e também não precisa sentir nada a fim de que sua oração em línguas seja eficiente. Se alguém age emocionalmente junto com a oração em línguas, então isto deve-se à própria pessoa, e não ao Espírito Santo.
Alguns cristãos pensam que para entregarem uma mensagem em línguas devem falar no topo de sua voz, ou com falsa voz, mas isto é desnecessário. Devemos falar normalmente.
Muitos querem convencer os outros que o poder de Deus está sobre eles. Mas o poder de Deus está em nós a todo o tempo, e assim o que devemos fazer é somente se apegar nEle e fluir junto com ele.
Certa vez, em Beaumont, Texas, havia uma mulher numa das reuniões. Ela queria que todos soubessem que o Espírito Santo a estava realmente usando. E assim ela gritava em línguas! Aquilo não era edificante. Se você estivesse sentado bem à sua frente desejaria mudar de lugar assim que ela começasse a gritar. Dis­se-lhe que poderia falar na mesma altura que falava normalmente.
Quando o diabo vinha me dizer "Você está perdendo o seu tempo falando em línguas", eu começava proposi-talmente a falar em línguas.
Eu orava por uma hora em línguas lá no meu escritó­rio. Depois me levantava e me sentava na cadeira. Quando me sentava algo me dizia (eu sabia que proce­dia do diabo porque qualquer coisa que desencoraja uma pessoa a crescer em Deus procede do diabo): "Você desperdiçou uma hora agora. Você deveria estar lá fora visitando as pessoas".
Assim, eu dizia: "Diabo, vou me ajoelhar e orar mais uma hora em línguas". Assim me ajoelhava e orava por mais uma hora em línguas.
Faça Sua Carne Se Submeter
Temos que fazer algo com nossa carne, pois ela se oporá às coisas de Deus (Rm 8.7). Sua carne não entende o que você está fazendo quando está na dimen­são do Espírito, e a carne não quer orar em outras línguas. A carne também não quer entrar na dimensão do Espírito.
Além disso, se sua mente não foi renovada com a Palavra de Deus, ela irá desejar continuar ativa, e não irá querer dedicar tempo à meditação da Palavra e às coisas de Deus.
Pois sua mente não sabe o que você está falando em línguas e, pelo fato de a usar para administrar as coisas, ela no princípio não irá querer que entre na dimensão do Espírito.
Tudo o que lhe diz respeito fisicamente e mentalmen­te irá gritar: "Não está certo, não quero fazê-lo!" pois a carne e a mente não querem orar em outras línguas. Mas a Palavra de Deus diz que isso é certo.
Depois que orava pela segunda hora em línguas, o diabo dizia: "Bem, agora você desperdiçou duas horas".
Então, dizia: "Vou me ajoelhar e ora; por mais uma hora". E assim orei minha terceira hora.
O diabo me disse de novo: "Você desperdiçou três horas hoje. Você poderia estar preparando suas prega­ções para domingo. Você poderia estar visitando as pessoas. Você poderia estar fazendo algo importante".
O diabo queria que ficasse somente na dimensão dos sentidos, na dimensão natural.
Eu disse: "Diabo, vou lhe dizer o que farei. Ficarei aqui e ao invés de orar mais uma hora em línguas, orarei mais duas horas, e quando me levantar, se você vier me incomodar com dúvida e incredulidade de novo, dobrarei de novo o tempo de oração. Da próxima vez será mais quatro horas, e da próxima mais oito horas".
Naquele dia, depois de orar cinco horas e quarenta e cinco minutos em línguas, fui levado para um nível em Deus que nunca atingira antes em meu ministério. Aque­le dia foi um ponto de inflexão em meu ministério.
Mas perceba, levou todas aquelas horas orando no Espírito para que algo dentro em mim fosse mudado e fosse levado para um novo nível em Deus.
Durante aquelas cinco horas e quarenta e cinco minu­tos orei em várias línguas diferentes. Orava em línguas e interpretava o que orava. Escrevi o que interpretei, e até hoje tenho o que escrevi.
Durante aquele período em oração, Deus me deu a interpretação daquilo que orava em línguas. Estávamos no período da segunda guerra mundial. Naquela oca­sião, Deus disse: "No final da segunda guerra mundial um avivamento de cura divina chegará aos Estados Unidos".
Proclamei esta verdade na primeira segunda-feira de setembro de 1943. Preguei sobre o que aconteceria alguns anos antes do final da guerra em 1945. E o avivamento veio. Mas estive intercedendo por este avi­vamento alguns anos antes.
A igreja hoje não está andando como deveria porque uma única pessoa não pode carregar sozinha este tipo de oração, mas cada um de nós precisa participar em orar o plano que Deus quer executar sobre a terra. Tal atitude realmente resolveria o problema da oração.
E pela prática da oração em línguas, posso aquietar minha mente tão rápido quanto você poderia estalar seus dedos, e posso saltar para a dimensão espiritual, onde posso falar pelo meu espírito. E o Espírito Santo está em mim para me ajudar a orar (Rm 8.26).
Passo Número Seis: Conheça a Realidade De Nossa Comunhão Com o Pai
Já abordamos cinco dos sete passos para se atingir o tipo supremo de fé. Vejamos agora a respeito do sexto passo. O passo número seis é entender a realidade da nossa comunhão com o Pai. O propósito da redenção é a comunhão.

1 CORÍNTIOS 1.9
9 Fiel é Deus, pelo qual fostes chamados À COMU­NHÃO DE SEU FILHO JESUS CRISTO NOSSO SE-NHOR.

Observe que fomos chamados à comunhão com o Filho de Deus, Jesus Cristo.

1 JOÃO 1.3,4,7
3  O que temos visto e ouvido anunciamos também a vós outros, para que vós igualmente mantenhais comunhão conosco. Ora, a nossa comunhão é com o Pai e com seu Filho Jesus Cristo.
4  Estas cousas, pois, vos escrevemos para que a nossa alegria seja completa...
7 Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o san­gue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo peca­do.

A maior honra que o Pai nos conferiu dentro do seu plano de redenção da humanidade é a de sermos parti­cipantes da comunhão com Ele mesmo, com o Seu Filho, e com o Espírito Santo.
Mas um relacionamento sem comunhão é algo insípi-do. É como um relacionamento entre marido e mulher desprovido de amor e comunhão.
A comunhão com Deus é a mãe da fé. E a comunhão com Deus é parente da alegria. É a fonte de vitória.
E Deus nos tem chamado para a comunhão com Seu Filho. Se você tiver comunhão com Deus e andar na luz assim como Ele está na luz, então a oração se tornará um dos maiores e mais agradáveis privilégios que vocô tem em Cristo.

Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.

Reações:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...