Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

7 de novembro de 2016

Fundamentalismo - Teologia 24.37 - Sectarismo x Comunhão x Separação x Interdenominacionalismo x Ecumenismo

Fundamentalismo - Teologia 24.37 

SECTARISMO x COMUNHÃO x SEPARAÇÃO x INTERDENOMINACIONALISMO x ECUMENISMO 

Vejamos os graus de interrelacionamento entre igrejas numa escala até chegar ao Ecumenismo:

1. SECTARISMO PRESUNÇOSO ; Cooperação e comunhão tanto no nível fraternal e eclesiástico somente com os da mesma igreja ou denominação. Esta posição é perigosa, torna os partidários deste ponto de vista, semelhantes a uma seita. Como se em toda a face da terra somente eles tivessem a verdade. Mesmo que mantenham os fundamentos da fé, pecam por presunção.

2. COMUNHÃO COM OS FIÉIS ; Cooperação e comunhão em primeiro lugar com os da mesma fé e ordem, ou seja, os membros da própria denominação que são fiéis [fundamentalistas], e em segundo lugar a nível fraternal e no nível eclesiástico com aquelas denominações genuinamente cristãs e com os princípios fundamentais de fé e prática semelhantes, neste segundo caso, opera a lei da possibilidade e da conveniência. Os níveis de Comunhão possíveis para um fundamentalista:
[1º nível] Comunhão Fraternal (Companheirismo com os fiéis - Sl. 119:63; Pv. 2:20; 13:20; II Jo 4-6);

  Comunhão Eclesiástica ( Cooperação em trabalhos conjutos com os fiéis da mesma denominação - O apóstolo Paulo gostava de trabalhar em equipe, de onde vemos o valor dos crentes fiéis trabalharem conjutamente. Veja agoira o grande numero de cooperadores no ministério de Paulo que o fizeram mexer com todos o mundo conhecido da época: Col. 1:1; T.1:4; Fil.1:1; At. 15:25-27; 16:25; Fp. 2:25; 4:18; II Tm. 4:9-22; At. 19:10,26

[2º nível] Comunhão Fraternal (sem restrições). , com os membros fiéis de denominações realmente . fundamentalistas;
  Comunhão Eclesiástica (na medida do possível e da conveniêcia)com os membros fiéis de denominações realmente fundamentalistas;

[3º nível] Comunhão fraternal (somente e com restrições) com aqueles que mantém os pontos básicos do fundamentalismo, mas têm pontos doutrinários questionáveis e método de trabalho muito divergente. Fica descartada a Comunhão Eclesiástica (esforço cooperativo em trabalho conjunto, por exemplo cultos, congressos, etc...) por ser inviável e contraproducente. É Neste ponto que entra o INTER- DENOMINACIONALISMO (que junta em congressos: carismáticos-pentecostais, denominações que ainda se dizem fundamentalista, mas que mantém um diálogo teológico e até cooperativo como os liberais). A tendência histórica do INTER-DENOMINACIONALISMO é ir se tornando cada vez abragente, de modo que se torna um modo sutil de ECUMENISMO DISFARÇADO. É aqui neste nível que deve começar a SEPARAÇÃO ECLESIÁSTICA, como dizem alguns fundamentalistas: "Separando-se dos irmãos que se dizem fundamentalistas mas não se separam dos apóstatas."

[4º] Separação no nível fraternal [não que vá se tornar inimigo ou intrigado do não fundametalista, mas no sentido bíblico que é impossível andarem dois juntos se não estiverem de acordo (Amós 3:3), somos exortados a nos desviar-nos não apenas do ensino, mais da própria pessoa, pois, sua conversação é perigosa, é como o diálogo de Eva com a serpente (Rm.16:17,18; I Co. 15:33; II Ts. 3:14);
Separação no nível Eclesiástico, ou seja, não é possível trabalho conjunto, nem o chamado "Diálogo Téologico" com os apóstatas, visando em seus congressos ou os nossos aprender algo deles ou ensinar-lhes algo. O labor teólogo com os apóstatas, é um "jugo desigual", é uma parceria com as trevas que de maneira nenhuma tem apoio bíblico (II Cor.6:14-18; 17:1; II Jo.10,11; Ef.5:11).
, ou seja, não é INVIÁVEL, O CHAMADO ‘DIÁLOGO TEOLÓGICO" COM OS APÓSTATAS]
*** A base teológica da UNIÃO CRISTÃ entre crentes fieis está no NT:
. [1] Comunhão com os que não são do mundo e são santificados na verdade da Palavra de Deus, portanto isto exclue apóstatas e descrentes (Jo 17:16-21);
. [2] É ordenado que sejam "um"(Jo.17:21), que se esforcem "por preservar a unidade no vinculo da paz " (Ef.4:3-5), porém, dentro do contexto de "uma só fé". A divergência doutrinária nunca deve ser descartada em favor de uma união espúria. Isto faz impossível a união com descrentes e apostatas no Corpo de Cristo a sua Santa Igreja.
*** A base teológica da SEPARAÇÃO BÍBLICA DOS INFIÉIS está, também, no NT:
* Cito resumidamente aqui os 13 AXIOMAS DA SEPARAÇÃO enumerados por Jonh E. Ashbrook:
[1] AS ESCRITURAS PROÍBEM A COMUNHÃO COM A INCREDULIDADE (2 JO.1, 7-11);
[2] AS ESCRITURAS ORDENAM A REPROVAÇÃO DA APOSTASIA (Ef. 5:11);
[3] AS ESCRITURAS NOS ENSINAM A PREGAR A INCREDULIDADE, SE PUDERMOS . . (1 CO 5:1-1, 6-7)
[4] AS ESCRITURAS ENSINAM QUE CRENTES E INCRÉDULOS NÃO PODEM COLOCAR-SE EM JUGO DESIGUAL NA DILIGÊNCIA ESPIRITUAL. ( 2 CO. 6:14-18);
[5] AS ESCRITURAS ENSINAM-NOS A NOS SEPARARMOS DOS IRMÃOS DESOBEDIENTES. Trata daqueles que embora digam manter-se firmes nos fundamentos da fé, mantém comunhão, diálogo teológico e/ou cooperação com os apóstatas.
[6] O TRABALHO DE DEUS FEITO Á MANEIRA DE DEUS PRODUZ APENAS BONS RESULTADOS, O TRABALHO DE DEUS FEITO À MANEIRA DO HOMEM PRODUZ BONS E MAUS RESULTADOS. - Aqui trata das duvidosas conversões das cruzadas evangelísticas ecumênicas encabeçadas por Billy Graham e outros como ele. Conversões conseguidas igualmente por meios duvidosos. Em Números 20, Moisés mesmo após ter desobedecido a Deus e ter batido na rocha, teve o bom resultado de ver a água sair da rocha, todavia isto lhe custou a proibição de entrar em Canaã. Portanto, resultados não provam que o método utilizado esteja correto.
[7] NÃO ASSOCIE SUA IGREJA A QUALQUER IGREJA, MISSÃO, MOVIMENTO OU ESFORÇO EVANGELÍSTICO QUE NÃO CREIA INTEGRALMENTE NA PALAVRA DE DEUS. (II Cron. 19:2; Esd. 4:1-4)
[8] NÃO ASSOCIE SUA IGREJA A QUALQUER IGREJA, MISSÃO, MOVIMENTO OU ESFORÇO EVANGELÍSTICO QUE NÃO PRATIQUE A SEPARAÇÃO BÍBLICA.
[9] NÃO SE PODE MANTER UMA POSIÇÃO SEM PELEJAR POR ELA.
[10] NA DÚVIDA, NÃO SE ASSOCIE.
[11] SEPARAÇÃO NÃO É RESPONDER A TODO DESACORDO ENTRE IRMÃOS.
[12] O ESPÍRITO DE DEUS NUNCA CONDUZIU UM CRISTÃO A ALGO CONTRÁRIO A UMA SÓ PALAVRA DA PALAVRA DE DEUS.
[13] EM QUALQUER ÉPOCA DA HISTÓRIA DA IGREJA DEUS TEM SIDO MAIS SEVERO COM AQUELES A QUEM ESTÁ USANDO NO MOMENTO.
CONCLUSÃO: CONCEITO BÍBLICO DE APOSTASIA
DEFINIÇÃO: [por L.G. WHIT LOCK HR e SCOFIELD] 1. "REPÚDIO e ABANDONO DELIBERADO DA que FÉ que a pessoa professou (Hb. 3:12);
2. "DESERÇÃO", é um ato de cristãos professos que deliberadamente rejeitam a verdade revelada, . como: [1] a Divindade de Cristo, e [2] a redenção mediante o Seu sacrifício expiador e remidor (I . Jo.4:1-3; Fp;3:18; 2 Pe 2:1).
DIFERENÇA ENTRE APOSTASIA, ERRO E HERESIA.
* Segundo SCOFIELD, J.D.SPICELAND e L.G. WHITLOCK JR.: [com enxertos do autor].
1. APOSTASIA é deliberada e consciente, o ERRO quanto a VERDADE pode ser resultado de . IGNORÂNCIA (At 19:1-6), ou HERESIA (em algum ponto verdade), devido a uma armadilha de . Satanás (2 Tm 2:25-26).
2. J.D.SPICELAND assim define HERESIA:
"A palavra grega "hairesis" significa: "... [2] Uma opinião escolhida , sendo que a única ocorrÊncia no NT é 2 Pe 2:1, onde "opiniões destruidoras" são causadas por ensinos falsos [dai "heresias" na ARA]; [3] Uma seita ou partido (que sustenta certas opniões)... em 2 Pedro, veio a predominar no uso cristão. A heresia é uma negação deliberada da verdade revelada, juntamente com a aceitação do erro .
3. Sendo que o ERRO QUANTO A VERDADE e a HERESIA, podem existir junto com a VERDADEIRA FÉ, e também podem conduzir a uma COMPLETA APOSTASIA.
4. L.G. WHITLOCK JR. tenta fazer uma diferenciação: "A APOSTASIA difere da HERESIA quanto ao grau. O HEREGE nega algum aspecto da fé cristã, mas retem o nome de cristão " [porém esta diferenciação chega a se torna sem valor porque muitos apostatas, também retêm o nome de cristão].
É interessante neste ponto citarmos o Dr. SCOFIELD: " O apóstata está perfeitamente descrito em 2 Tm 4:3-4. Os apóstatas afastam-se da fé, mas não da profissão externa do Cristianismo (2 Tm 3:5).
[Continuam dizendo-se "cristãos" e usando palavras da Teologia Cristã, porém dão outro significado a estas palavras, de modo que, quando falam em "Deus",mas não é o Deus Bíblico, ou em Bíblia, porém não a tratam como Palavra de Deus, e assim destroem o fundamentos, e continuam dizendo que são "cristãos". Este engano é uma grande arma de Satanás para enganar os desavisados e inguênuos. O falso profeta, na qualidade de lobo que é, nunca se apresenta como tal, mas como ovelha como em Mateus 7:15-23, 2 Coríntios 11:3,4, e Apocalipse 13:11].
5. Os Mestres apóstatas são descritos em 2 Tm. 4:3; 2 Pe.2:1-19; Jd.4,8,11-13, 16.
[Vivemos numa época muito fácil de ser enganada por intelectualismo e erudição filosófica e teológica. Os homens que mais prejuízo têm causado à Igreja de Cristo na terra, têm sido homens brilhantes, quais Lúcifer foi, homens com os mais elevados graus acadêmicos, homens cujo conhecimento lhes encheu de vaidade e orgulho ao ponto de acharem que podem por si mesmo julgar a Deus, a Bíblia e a Sua Igreja. Estes brilhantes falsos mestres e doutores em teologia, são os mais procurados para serem os pastores das grandes igrejas, professores dos grandes seminários e líderes denominacionais e do movimento ecumênico, por que na sua sanha por auto-realização e grandeza pessoal, não se satisfazem só em serem grandes em sua denominação, querem dominar sobre toda a cristandade, e se possível sobre todo o mundo religioso]. Ressalva: não estamos dizendo que todos os mestres e doutores em Teologia sejam apóstatas, pois ainda existem alguns mestres e doutores que usam seus conhecimento debaixo do Senhorio de Cristo e para defender a sã doutrina, oremos para que o seu número aumente.
6. A apostasia na igreja , como em Israel (Is.1:5-6; 5:5-7), é IRREMEDIÁVEL, e AGUARDA JULGAMENTO (2 Ts. 2:10-12; 2 Pe 2:17,21; Jd. 11-15; Ap:3:14-16; 13:11-15; 17:1-5, 16; 18:1-8).
7. Sabemos que o avanço da APOSTASIA não pode ser contido por muito tempo. Cristo disse: "Quando vier o Filho do Homem, achará porventura fé na terra?" [Lc.18:8]. Citamos a seguir algumas sugestões bíblicas enumerada pelo Dr. SCOFIELD ao comentar 1 Tímóteo (base: 1:12).
"Os recursos do cristão num dia de declínio e apostasia generalizados são: [1] a Fé (1 Tm1:5); [2] o Espírito (1 Tm 1:1-6); [3] a Palavra (1 Tm. 1:13; 3:1-17; 4:3-4); [4] a Graça de Cristo (1 Tm.2:1); [5] Separação dos vasos sem honra (1 Tm 2:4, 20-21; [6] a Recompensa certa do Senhor (1 Tm.4:7-8); [7] a Fidelidade e o Poder do Senhor (1 Tm. 2:13,19).

Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.

Reações:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...