Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

5 de outubro de 2017

História De Israel – Teologia 31.26 - Perece os Egípcios no Mar Vermelho (Livro 2 Cap 7)

História De Israel – Teologia 31.26
 
CAPÍTULO 7

OS ISRAELITAS PASSAM O MAR VERMELHO A PÉ ENXUTO. O EXÉRCITO DOS EGÍPCIOS, QUERENDO PERSEGUI-LOS, NELE PERECE COMPLETAMENTE.

100. Depois de assim falar, Moisés conduziu os israelitas pelo mar à vista dos egípcios, que, por estarem cansados da viagem, haviam adiado o combate para o dia seguinte. Quando chegou à beira do mar, tendo na mão a vara com a qual fizera tantos milagres, implorou o socorro de Deus e fez esta ardentíssima oração: "Vós vedes, Senhor, que é humanamente impossível, quer pela força, quer pela astúcia, escapar de um perigo tão grande como este em que agora nos encontramos. Somente vós podereis salvar este povo, que saiu do Egito apenas para vos obedecer. A nossa única esperança está em vosso auxílio. Somente vós podeis ser o nosso refúgio em tão extrema conjuntura. E podeis, se quiserdes, defender-nos contra o furor dos egípcios. Apressai-vos, pois, Deus Todo-podero-so, em estender o vosso braço em nosso favor e erguei o ânimo e a esperança de vosso povo, que se encontra em desalento e desespero. Este mar e estes rochedos que nos cercam e se opõem à nossa passagem são obra de vossas mãos. Ordenai, apenas, Senhor, e obedecerão à vossa ordem, e podeis até mesmo, se quiserdes, fazer-nos voar pelos ares".
Esse admirável guia do povo de Deus, depois de encerrar a sua oração, tocou o mar com a sua maravilhosa vara, e no mesmo instante este se dividiu, para deixar os hebreus passar livremente, atravessando-o a pé enxuto, como se estivessem andando em terra firme. Moisés, ao ver essa manifestação do auxílio divino, entrou por primeiro no espaço aberto e ordenou aos israelitas que o seguissem por aquele caminho que o Todo-poderoso, contra a ordem da natureza, lhes providenciara e que a Ele rendessem graças tanto mais fervorosas quanto podia passar por incrível o meio de que se servia para livrá-los.
Os hebreus, não podendo mais, no momento, duvidar da assistência de Deus, tão visível, apressaram-se em seguir Moisés. Os egípcios, ao contrário, julgaram primeiro que o medo lhes havia perturbado a inteligência, levando-os a se precipitar daquele modo num perigo tão evidente e numa morte inevitável. Mas quando os viram avançar sem obstáculo algum e que nenhum mal lhes sucedia, perseguiram-nos com ardor, na certeza de que um caminho tão estranho não seria menos seguro para eles do que para aqueles que nele viam andar sem nenhum temor.
A cavalaria entrou por primeiro. Seguiu-a todo o resto do exército, e, como haviam empregado muito tempo para se preparar e tomar as armas, os israelitas chegaram ao outro lado do mar antes de serem alcançados. Isso deu aos egípcios a inteira certeza de que também chegariam em segurança. Mas estavam enganados, pois não sabiam que Deus havia preparado aquele caminho somente para o seu povo, e não para os perseguidores. Assim, depois de todos os egípcios haverem entrado no espaço aberto entre as águas do mar, estas reuniram-se num instante e os sepultaram todos, envolvendo-os em suas ondas.
O vento juntou-se às vagas para aumentar a tempestade: grande chuva caiu dos céus. Os relâmpagos misturaram-se com o ribombo do trovão, os raios seguiam-se aos trovões e, para que não faltasse nenhum sinal dos mais severos castigos de Deus, na sua justa cólera para punir os homens, uma noite sombria e tenebrosa cobriu a superfície do mar, de modo que de todo esse exército tão temível não restou um único homem que pudesse levar ao Egito a notícia da horrível catástrofe.
101. Ninguém poderia calcular a alegria dos israelitas, por se verem salvos, contra toda esperança, pelo poderoso auxílio de Deus, e por terem garantida a liberdade, depois da morte inesperada daqueles que pretendiam submetê-los a nova escravidão. Passaram toda a noite em agradecimentos, e Moisés compôs um cântico para dar a Deus graças infinitas por um favor tão marcante.
Narrei aqui tudo em particular, segundo o que encontrei escrito nos Livros Santos. Ninguém deve considerar como coisa impossível que homens que viviam na inocência e na simplicidade desses primeiros tempos tivessem encontrado, para se salvar, uma passagem no mar, quer se tenha ela aberto por si mesma, quer tenha acontecido pela vontade de Deus, pois a mesma coisa aconteceu algum tempo depois aos macedônios, quando passaram o mar da Panfília, sob o comando de Alexandre, e quando Deus se quis servir dessa nação para destruir o império dos persas, como o narram os historiadores que escreveram a vida desse príncipe. Deixo, no entanto, a cada qual que julgue como quiser.
102. No dia seguinte a essa memorável jornada, os ventos e as ondas impeliram as armas dos egípcios para a praia onde os israelitas estavam acampados. Moisés atribuiu o fato a uma ação particular de Deus, que assim lhes dava ocasião de se armar. Distribuiu-lhes todas as armas e, para obedecer à ordem de Deus, levou-os para o monte Sinai, a fim de oferecer a Ele um sacrifício e presentes, como sinal de gratidão pela milagrosa salvação que lhes concedera.


Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.


Reações:

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...