Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

19 de junho de 2018

História De Israel – Teologia 31.230 (Livro 16 Cap 15) SILEU INDISPÕE DE TAL MODO AUGUSTO COM HERODES QUE O IMPERADOR SE RECUSA A RECEBER OS SEUS EMBAIXADORES. NEGA-SE TAMBÉM A ESCUTAR OS EMBAIXADORES DEARETAS, REI DOS ÁRABES, QUE SUCEDERA A OBODAS, O QUAL SILEU MANDARA ENVENENAR PARA SE APODERAR DO REINO. HERODES ENVIA UMA TERCEIRA EMBAIXADA A AUGUSTO.

História De Israel – Teologia 31.230


CAPÍTULO 15

SILEU INDISPÕE DE TAL MODO AUGUSTO COM HERODES QUE O IMPERADOR
SE RECUSA A RECEBER OS SEUS EMBAIXADORES. NEGA-SE TAMBÉM A
ESCUTAR OS EMBAIXADORES DEARETAS, REI DOS ÁRABES, QUE SUCEDERA A
OBODAS, O QUAL SILEU MANDARA ENVENENAR PARA SE APODERAR DO
REINO. HERODES ENVIA UMA TERCEIRA EMBAIXADA A AUGUSTO.

708. Os árabes enviaram com urgência emissários a Roma para contar a Sileu, de forma distorcida, o que acontecera. Quando lhe deram a notícia, ele passeava diante do palácio de Augusto, que já o conhecia. Tomou então uma veste de luto e foi procurar o imperador. Unindo lágrimas às queixas, contou-lhe que Herodes havia entrado com armas na Arábia e a destruíra completamente, matando dois mil e quinhentos dos principais dentre os árabes e Nacebe, seu parente, amigo e general do exército. Disse também que ele havia roubado grandes riquezas no castelo de Repta e que o desprezo de Herodes por Obodas — cuja negligência fora tão grande que nem se havia preparado para a guerra, faltando-lhe ainda um bom chefe —, na sua ausência, o havia levado a empreender uma guerra injusta. Acrescentou que, se não confiasse nos cuidados do imperador em manter todas as províncias em paz, não teria deixado o seu país para vir a Roma e, se lá tivesse ficado, jamais permitiria que Herodes saísse vencedor naquela guerra.
Augusto, impressionado com essas palavras, limitou-se a indagar de alguns amigos de Herodes e uns romanos recém-chegados da Síria se era verdade que aquele príncipe havia entrado com armas na Arábia. E, como não podiam negá-lo, não se informou o motivo que a isso o havia obrigado. César ficou muito encolerizado e escreveu a Herodes uma carta cheia de ameaças, que dizia, entre outras coisas, que até então ele o considerara um amigo, mas que dali em diante o trataria como súdito.
Sileu, por sua vez, escreveu à Arábia, do modo como bem se pode imaginar, e as suas cartas levantaram tanto o ânimo daquela nação que, vendo eles o imperador irritado contra Herodes, não restituíram os fugitivos e não pagaram o que deviam nem o que era de direito pelas pastagens que haviam arrendado. Os habitantes de Traconites também se aproveitaram da ocasião: rebelaram-se contra as guarnições iduméias enviadas por Herodes, uniram-se a outros ladrões árabes e saquearam o país, causando muitos outros males, não tanto para se aproveitar deles quanto pelo desejo de vingança. Herodes foi obrigado a suportá-los, porque nada ousava empreender, ao ver que Augusto, de tão enfurecido contra ele, nem se dignara escutar os primeiros embaixadores que lhe enviara, tampouco dar uma resposta aos que foram em seguida.
A presença de Sileu em Roma aumentava ainda mais a angústia de Herodes, pois sabia que estavam dando crédito às palavras daquele impostor e que ele aspirava à coroa da Arábia. O rei Obodas morrera por aquele tempo, e Enéias, cognominado Aretas, o substituiu. Sileu valia-se de todas as calúnias que podia para forçar a sua destituição e usurpar o trono. Para isso, agradava com valiosos presentes os que desfrutavam prestígio perante Augusto, prometendo muitos mais ao imperador, esperando que ele os recebesse tão favoravelmente quanto estava indignado com Aretas, que se atrevera a apoderar-se do reino sem lhe pedir permissão.
Esse novo rei, por fim, escreveu a Augusto e enviou-lhe, entre outros presentes, uma coroa de ouro de grande valor. Nas suas cartas, ele acusava Sileu de ser um pérfido, que envenenara o rei Obodas, seu senhor, e lhe usurpara o governo quando ele ainda vivia e que havia abusado insolentemente das mulheres dos árabes e emprestado grandes somas para abrir caminho à tirania. Mas Augusto não quis receber os presentes nem ouvir os embaixadores, e os despediu sem resposta.
Assim, as coisas se indispunham cada vez mais entre os judeus e os árabes, e não havia ninguém capaz de apaziguar tamanha divergência. Aretas ainda não se havia consolidado no novo reino para poder reprimir as insolências de seus súditos, e Herodes, temeroso de irritar ainda mais o imperador, caso repelisse as injúrias que lhe faziam, era obrigado a suportá-los. Nessa aflição em se encontrava, resolveu enviar uma terceira embaixada para tentar, por intermédio de amigos, apaziguar os ânimos de César, e para isso escolheu Nicolau de Damasco.


Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.


Reações:

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...