Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

27 de maio de 2018

História De Israel – Teologia 31.184 (Livro 14 Cap 11) ARISTÓBULO, PRISIONEIRO EM ROMA, SALVA-SE COM ANTÍGONO, UM DE SEUS FILHOS, E VEM ÀJUDÉIA. OS ROMANOS VENCEM-NO NUMA BATALHA. ELE SE RETIRA PARA ALEXANDRIOM, ONDE É SITIADO E PRESO. GABÍNIO O DEVOLVE PRISIONEIRO A ROMA, DERROTA ALEXANDRE, FILHO DE ARISTÓBULO, NUMA BATALHA E VOLTA A ROMA, DEIXANDO CRASSO EM SEU LUGAR.

História De Israel – Teologia 31.184

 
CAPÍTULO 11

ARISTÓBULO, PRISIONEIRO EM ROMA, SALVA-SE COM ANTÍGONO, UM DE
SEUS FILHOS, E VEM ÀJUDÉIA. OS ROMANOS VENCEM-NO NUMA BATALHA.
ELE SE RETIRA PARA ALEXANDRIOM, ONDE É SITIADO E PRESO. GABÍNIO O
DEVOLVE PRISIONEIRO A ROMA, DERROTA ALEXANDRE, FILHO DE ARISTÓBULO,
NUMA BATALHA E VOLTA A ROMA, DEIXANDO CRASSO EM SEU LUGAR.

581. Aristóbulo escapou de Roma e voltou para a Judéia, com o propósito de restaurar o castelo de Alexandriom, destruído de novo, como dissemos. Mas Gabínio enviou Cisena, Antônio e Servílio para impedi-lo de se apoderar dessa praça e para prendê-lo. Vários judeus uniram-se a ele, quer pelo respeito que tinham por um nome ilustre como o dele, quer por serem naturalmente inclinados à rebelião e à revolta. Pitolau, governador de Jerusalém, levou-lhes mil bons soldados. Vieram-lhe ainda outros, em grande número, porém a maior parte não estava armada, e ele os despediu como inúteis. Marchou depois para Macherom com o objetivo de tomá-la.
Os romanos seguiram-no, alcançaram-no e o atacaram. Ele e os seus, embora se defendessem valentemente, foram derrotados, e cinco mil foram mortos. O resto salvou-se como pôde. Aristóbulo, com uns mil somente, refugiou-se em Macherom. O mau êxito de suas empresas, porém, não lhe abateu o ânimo nem o fez perder a esperança. Ele pôs-se a trabalhar para fortificá-la. Mas foi imediatamente sitiado e, após resistir por dois dias, ferido em várias partes do corpo, foi aprisionado junto com Antígono, seu filho, que fugira com ele de Roma, e levado a Gabínio. A má sorte desse príncipe levou-o segunda vez a Roma como prisioneiro. Ele havia reinado e exercido durante três anos e meio o sumo sacerdócio, com não menos brilho que coragem. O senado pôs os seus filhos em liberdade, porque Gabínio escreveu que o prometera à mãe deles, em consideração à entrega que ela fizera das praças, e eles foram encaminhados para a Judéia.
582.  Gabínio preparava-se para marchar contra os partos. Já havia passado o Eufrates quando mudou de idéia e foi para o Egito, a fim de restaurar Ptolomeu, como dissemos em outro lugar. Antipatro, por ordem de Hircano, forneceu-lhe trigo para o exército, armas e dinheiro e persuadiu os judeus que moravam em Pelusa, que eram como os guardas da entrada no Egito, a fazer aliança com os romanos.
583.  Gabínio, ao seu regresso do Egito, encontrou toda a Síria perturbada. Alexandre, filho de Aristóbulo, ocupara à força o governo e atraíra grande número de judeus para o seu partido. Assim, havendo reunido tropas, ele percorria toda a província e matava quantos romanos encontrava. Os outros retiraram-se para o monte Gerizim, e ele os cercou. Gabínio, encontrando as coisas nesse estado, enviou Antipatro, cuja prudência conhecia, para tentar persuadir os revoltosos a tomar melhor deliberação. Ele conduziu-se com tanta habilidade que convenceu vários, porém, não pôde persuadir Alexandre. Resolveu então, com os trinta mil judeus que o seguiam, travar batalha. Esta aconteceu perto do monte de Itabírio. Os romanos venceram, e os judeus perderam dez mil homens.
Gabínio, depois de colocar em ordem as questões principais em Jerusalém, segundo o conselho de Antipatro, marchou contra os nabateenses e venceu-os também numa batalha. Mandou de volta para o país de origem dois senhores partos, de nome Mitridates e Orsano, que se haviam refugiado junto dele, e fez ao mesmo tempo correr a notícia de que eles escaparam para voltar ao seu país. Esse grande general, depois de tantos e tão belos feitos militares, voltou para Roma, e Crasso sucedeu-o no governo das províncias. Nicolau de Damasco e Estrabão da Capadócia escreveram os feitos de Pompeu e de Gabínio contra os judeus, e eles estão perfeitamente de acordo.


Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.


Reações:

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario