Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

24 de junho de 2018

História De Israel – Teologia 31.239 (Livro 17 Cap 7) ANTÍPATRO VOLTA DE ROMA PARA AJUDÉIA E É ACUSADO NA PRESENÇA DE VARO, GOVERNADOR DA SÍRIA, DE TER QUERIDO ENVENENAR O REI, SEU PAI. HERODES FÁ-LO PÔR NUMA PRISÃO E ESCREVE A AUGUSTO A ESSE RESPEITO.

História De Israel – Teologia 31.239

 
CAPÍTULO 7

ANTÍPATRO VOLTA DE ROMA PARA AJUDÉIA E É ACUSADO NA PRESENÇA
DE VARO, GOVERNADOR DA SÍRIA, DE TER QUERIDO ENVENENAR O REI, SEU
PAI. HERODES FÁ-LO PÔR NUMA PRISÃO E ESCREVE
A AUGUSTO A ESSE RESPEITO.

732. Herodes dissimulava sua cólera contra Antípatro e escreveu-lhe que logo que tivesse terminado os negócios que o retinham em Roma, viesse procurá-lo o mais depressa possível, a fim de que sua ausência não lhe fosse prejudicial. Fazia-lhe somente algumas leves queixas de sua mãe, com promessa de logo que tivesse regressado ele esquecer-se-ia do descontentamento que lhe havia dado e dava-lhe todas as demonstrações de afeto que ele pudesse desejar, porque temia que ele suspeitasse de que não voltaria e urdisse alguma trama contra ele. Antípatro recebeu essas cartas na Cilícia, quando já estava de regresso. Já tinha recebido outras, antes, em Tarento, que lhe comunicavam a morte de Feroras, com o que ficaria muito sentido, não pelo afeto que lhe dedicava, mas porque ele não tinha envenenado seu pai, como lhe tinha prometido. Quando chegou a Celenderis, cidade da Cilícia, começou a hesitar, se continuaria a viagem. Ele não podia suportar o castigo imposto à sua mãe, que fora expulsa do palácio e as opiniões de seus amigos estavam divididas. Uns eram de parecer que se esperasse em algum lugar, para ver o que aconteceria; outros, aconselhavam-no a se apressar, a fim de dissipar, com sua presença, a idéia de que sua ausência suscitava aos seus inimigos a ousadia de agir contra ele. Ele tomou este último partido, continuou a viagem e chegou ao porto de Sebaste, que Herodes tinha feito construir com tantas despesas, dando-lhe esse nome em honra de Augusto. Não mais se duvidou então, da ruína de Antípatro. Em vez de, como, quando do seu embarque para Roma, ser ele rodeado e assediado pela multidão dos que o acompanharam, formulando-lhe votos de prosperidade, ao contrário, à sua volta, não somente não o saudaram nem dele se aproximaram, mas fizeram até imprecações, contra ele, implorando a vingança de Deus, para castigá-lo e exigir-lhe o sangue de seus irmãos.
Aconteceu, que nesse mesmo tempo, quando ele se dirigia para Jerusalém, Quintílio Varo que tinha sucedido a Saturnino no governo da Síria, tinha vindo visitar Herodes e eles haviam se reunido em conselho. Como Antipatro ainda nada sabia do que se passava apresentou-se à porta do palácio, vestido de púrpura, como de costume; abriram-lhe a porta, mas fecharam-na ao seu séquito. Ele não teve então dificuldade em avaliar o grave perigo em que se encontrava, e viu-o ainda melhor, quando Herodes, em vez de abraçá-lo, repeliu-o, censurou-o pela morte de seus irmãos e disse que ele lhe queria ainda acrescentar um parricídio; que teria, no dia seguinte, a Varo por juiz. Tão imprevista desgraça tombou sobre ele como um raio. Atônito, retirou-se, e sua mãe e sua irmã, filha de Antígono, que havia reinado antes de Herodes, foram também informados de todas estas coisas; ele preparou-se para o julgamento.
733. No dia seguinte, convocou Herodes uma grande assembléia que Varo presidiu; seus amigos lá estavam com os parentes de Herodes; Salomé, sua irmã, também. Mandaram chamar os que haviam descoberto a conspiração, os que tinham sido submetidos à tortura e algumas criadas da mãe de Antipatro, que tendo sido presas um pouco antes de seu regresso, tinham em seu poder cartas que falavam de que sua conspiração tinha sido descoberta e que ele não voltasse, para não cair nas mãos do rei, seu pai, e que a única esperança de salvação que lhe restava era recorrer à proteção de Augusto. Antipatro lançou-se aos pés de Herodes, para rogar-lhe que não o condenasse antes de escutá-lo, mas lhe permitisse antes justificar-se. Herodes ordenou-lhe que se erguesse, e disse em seguida que bem infeliz ele se julgava por ter tido semelhantes filhos, por ter caído nos seus últimos dias nas mãos de Antipatro; que não havia cuidados que ele não tivesse tido de sua educação, que o tinha cumulado de benefícios, mas que tantasprovas de afeto e de bondade não tinham podido impedir que ele tentasse contra sua vida, para obter antes do tempo, com um crime horrível, um reino que ele poderia possuir legitimamente, quer pelo direito da natureza, quer pela vontade de seu pai, que ele não podia compreender que vantagem ele tinha imaginado encontrar na execução de um intento tão detestável; pois ele já o havia declarado seu sucessor, no testamento e que mesmo durante sua vida ele já compartilhava de toda sua autoridade, que ele lhe dava todos os anos cinqüenta talentos para suas despesas e lhe havia dado trezentos, para sua viagem a Roma. Cervsurou-lhe em seguida a morte de seus irmãos, dos quais tinha sido o acusador e o imitador; se eles fossem inocentes, pois não tinha encontrado outras provas contra eles senão as que ele havia alegado e os havia condenado por sua insinuação. Mas que agora ele os justificava, sendo ele mesmo culpado do assassínio de que os acusava.
Herodes assim falava e as lágrimas corriam-lhe dos olhos em tão grande abundância, que ele não pôde continuar. Rogou a Nicolau de Damasco, por quem tinha não menor amizade do que confiança, que estava bem a par do assunto, que referisse o que continham as deposições das testemunhas que serviam de provas da culpabilidade de seu filho. Mas Antípatro antecipou-se e defendeu ele mesmo a causa. Empregou para sua defesa as mesmas razões de que Herodes se servira contra ele, dizendo que aquela extrema aflição de seu pai era uma recompensa de sua piedade e um sinal de que ele não havia faltado a nenhum dos deveres que lhe devia prestar; que não havia possibilidade de que, depois de o ter defendido nas tentativas feitas contra sua vida, ele tivesse querido cometer semelhante crime e enxovalhar com tal mancha a sua reputação; que não havia nenhum motivo para isso, porque seu pai o tinha declarado seu sucessor e tornado participante de todo poder e de todos as honras anexas à coroa, ele não tinha somente a probabilidade de ser rei, mas podia-se dizer que de fato ele já o era, sem que ninguém se opusesse a isso; que assim não havia o mínimo motivo de crer que a esperança incerta de conquistar a inteira posse de um reino, de que já gozava pacificamente, de uma parte de sua virtude, ele se tivesse metido em semelhante perigo e em tal crime; que o castigo sofrido por dois de seus irmãos, por terem tentado semelhante ação tornava a coisa ainda mais verossímil; que não era necessária melhor prova de seu ardente amor por seu pai, do que ele mesmo ter sido delator deles e que não estava arrependido disso, porque não podia melhor demonstrar sua piedade para com ele do que se tornando o vingador de sua impiedade, que ele tinha por testemunha de todas as suas ações em Roma, o mesmo Augusto, ao qual não se podia enganar bem como a Deus, que ele podia apresentar suas cartas às quais se devia prestar incomparavelmente mais crédito do que às calúnias de seus inimigos, que não tinham maior desejo do que pôr a divisão na família real e aos quais sua ausência tinha dado os meios para isso e a comodidade também; quanto às deposições das testemunhas, não era justo que lhas prestassem fé, pois haviam sido extorquidas pela violência das dores e que por fim ele mesmo se oferecia a ser torturado e interrogado sem que o poupassem. Assim falando, Antípatro tinha o rosto cheio de lágrimas, batia com força no rosto, de tal modo que causava compaixão aos seus mesmos inimigos, e também comoveu de algum modo os presentes; Herodes mesmo estava comovido, embora fizesse todo o possível para não demonstrá-lo. Nicolau, então, tomou a palavra para continuar a acusação que o rei tinha começado. Ele estendia-se em cada artigo: trouxe como prova dos crimes, o testemunho dos que tinham sido torturados. Estendeu-se muito sobre a bondade extrema que o rei havia demonstrado por seus filhos, pelo cuidado que tivera de sua educação, de que tinha sido tão mal recompensado; disse que por maior que tivesse sido a culpa de Alexandre e Aristóbulo não havia tanto motivo de se admirar de que, sendo jovens e mal aconselhados, eles se tivessem deixado levar mais pela ambição de reinar do que pelo desejo de enriquecer. Mas que nada era tão horrível como o crime de Antípatro, o qual, mais cruel do que os animais mais cruéis, que se amansam e se mostram reconhecidos para com aqueles, dos quais receberam algum benefício, não tinha ele se comovido, com tantos favores que recebera do rei, seu pai, e, em vez de considerar a infelicidade em que seus irmãos tinham caído, por seu mau proceder, não tivera medo de os imitar. "Pois não fostes vós mesmo", acrescentou ele, dirigindo sua palavra a Antípatro, "o primeiro a acusá-los? Não fostes vós que vos empenhastes em provar-lhe a culpabilidade? Não fostes vós que os fizestes castigar? Não é, porém, disso que eu vos censuro; vosso ódio por eles era justo. Mas, pode-se assaz admirar de que não tenhais temido atrair sobre vós coisa semelhante? Pois, não é fácil julgar que o que fizestes contra eles não foi por amor a vosso pai, mas para poderdes mais facilmente executar o abominável desígnio, que tínheis já formulado contra ele, parecendo ser tão zeloso pela sua conservação e ter tanto horror por seu crime, como as conseqüências no-lo fizeram ver? Pois, querendo a morte de vossos irmãos, poupastes seus cúmplices; demonstrastes assim suficientemente, que estáveis de combinação còm eles e que vossa intenção era servir-vos deles para tentardes contra a vida de vosso pai. Sentíeis assim uma dupla alegria: parecer aos olhos dos homens ter feito uma ação digna de louvor, como teria sido mesmo, se vossos irmãos, sendo culpados, não tivésseis vos declarado contra eles, como inimigos, para salvar vosso pai e a outra, secreta, oculta, no vosso coração, achando por esse meio mais facilidade em fazer perecer, à traição, por um crime ainda maior que o deles, aquele mesmo por quem parecíeis sentir um amor tão cheio de piedade. Mas se verdadeiramente tivésseis tido horror ao detestável desígnio de que vossos irmãos eram acusados e que lhes custou a vida, teríeis tido coragem para imitá-los? Não é evidente que não tínheis outro objetivo que perder por vossa astúcia os que vos poderiam disputar o reino, como sendo muito mais dignos do que vós, de possuí-lo e atirar todo ódio sobre vosso pai, de vos pordes em condições de não poder ser castigado, acrescentando a esse fatricídio, um parricídio, tão horrível, que nenhum século ainda viu outro semelhante? Pois não é de um pai qualquer que resolvestes eliminar a vida, mas de um pai que vos amava com paixão, que vos cumulou de benefícios, que compartilhou convosco a sua autoridade, que vos declarou seu sucessor, que vos fez gozar crescentemente do prazer de reinar, que vos tinha garantido a coroa por meio de seu testamento. Mas essa excessiva bondade não causou impressão, em tão mau espírito como o vosso. Em vez de considerá-lo como benfeitor, vos considerastes apenas a vós mesmos; vossa paixão desmesurada de dominar não pôde tolerar ter como companheiro vosso próprio pai, a quem sois devedor de tantos benefícios e ao mesmo tempo que vossas palavras demonstravam um ardor tão violento pela sua conservação, todas as vossas ações tendiam à sua ruína. Vós não vos contentaste de ser mau, procurastes tornar vossa mãe tão má quanto vós, fazendo-a cúmplice do vosso crime; irritastes o espírito de vossos irmãos e tivestes a insolência de ultrajar a vosso pai, chamando-o de animal, vós, cujo coração está mais cheio de veneno do que os mais venenosos animais, as serpentes, e de que vos servistes contra os mais próximos e as quais devíeis maiores favores: e vós, enfim, que em vez de ajudar vosso pai na sua velhice, não vos contentastes unicamente com a vossa malícia para fazê-lo sentir os efeitos da vossa ira, mas vos fizestes acompanhar por guardas e conquistastes o maior número possível de pessoas, a fim de juntar os seus artifícios aos vossos para o aniquilar. Agora, depois de tantos depoimentos, tanto de pessoas livres como de escravas, às quais fostes causa de serem torturadas, depois de provas tão claras do vosso crime, ousais negar a verdade; não vos é suficiente terdes renunciado aos sentimentos mais ternos da natureza, esforçando-vos por tirar a vida a vosso próprio pai, quereis também subverter as leis estabelecidas contra vós e vossos semelhantes, para surpreender a eqüidade de Varo e para abolir tudo o que há de justiça no mundo. Dizeis que não se devem dar valor a depoimentos extorquidos por meio de torturas, que salvaram a vida ao vosso pai e pretendeis, ao mesmo tempo, que se deva crer no que direis, sofrendo também a tortura." "Mas, Senhor", acrescentou Nicolau, dirigindo então a palavra a Varo, "nós livrareis nosso rei dos detestáveis empreendimentos movidos contra ele, pelos seus parentes mais próximos? Não mandareis ao suplício esse cruel animal, que depois de se ter servido de uma falsa aparência de afeto para com seu pai, para perder seus próprios irmãos tudo fez para perdê-lo a ele também, a fim de reinar sozinho? Sabeis que o parricídio não deve ser considerado como um crime particular, mas como público, porque é um ultraje feito à natureza e ataca o princípio da vida. Vós sabeis que nesse caso o simples pensa-mento merece ser castigado como o mesmo fato e que não se deve deixar de castigá-lo, sem se pecar contra essa mesma natureza, que é a mãe comum de todos os homens."
Nicolau referiu em seguida diversas coisas, que a mãe de Antípatro, impelida pelo prazer que as mulheres têm de falar, não tinha podido deixar de dizer, isto é, que ela tinha consultado adivinhos e oferecido sacrifícios para saber o que aconteceria a Herodes. Não esqueceu também as desordens, tanto por causa do vinho como das mulheres, causadas por Antípatro, na família de Feroras e citou o grande número de depoimentos feitos contra ele, uns voluntários, outros obtidos pela tortura e que se podiam ter como os mais certos, porque aqueles, que antes o temor de Antípatro levava a calar o que sabiam contra ele, vendo que a mudança da sorte dava a todos a liberdade de falar e de acusá-lo, diziam então com franqueza o que seu ódio por ele já lhes não permitia ocultar.
734.  Nada, porém, aniquilava tanto a Antípatro, como as recriminações de sua consciência, que lhe atirava continuamente diante dos olhos, seus horríveis crimes, contra seu pai, o sangue de seus irmãos derramado por seus criminosos manejos e a perturbação que ele havia suscitado em toda a família real. Havia-se mesmo notado há muito tempo que jamais ele tinha ódios justos, nem amizades fiéis: mas o interesse era sua única regra de conduta. Assim, mais se amava a virtude e a justiça, mais ela era tida em horror e apenas houve segurança, começou-se a clamar contra ele e a se dizer à porfia todo o mal que ele havia feito e de que se tinha conhecimento. Vários acusaram-no de diversos crimes; e havia motivo para se crer em tudo como verdade, porque parecia que não era para agradar ao rei, nem o temor do perigo que os obrigava a ocultar alguma coisa. Parecia, ao contrário, que eles eram levados a falar daquele modo porque detestavam sua maldade e desejavam sua morte não só para garantir a vida de Herodes, como para evitar de cair sob o domínio de tão perverso príncipe, como Antípatro. Não eram, porém, somente os interrogados que assim falavam; havia muitos que depunham voluntariamente contra ele, e embora ele fosse um dos mais astuciosos dos mais desavergonhados dos homens, não ousava abrir a boca para responder.
735. Varo, então, tomou a palavra e disse que lhe dava toda a liberdade de falar, se tivesse alguma coisa a alegar em sua defesa e que o rei, seu pai e ele, só desejavam que ele fosse inocente. Antípatro, em vez de responder, lançou-se de rosto em terra, rogando a Deus que fizesse saber por meio de algum sinal a sua inocência e quanto ele estava longe de jamais ter tido o pensamento de empreender algo contra seu pai. É assim que os maus costumam agir. Quando enveredam pelo caminho do crime, abandonam-se às suas paixões, sem se lembrar de que há um Deus; quando se encontram, porém, no perigo de serem castigados, eles o invocam, tomam-no como testemunha da sua inocência e dizem que se abandonam inteiramente à sua vontade. Foi o que sucedeu a Antípatro. Antes, em todas as coisas, ele procedia como se Deus não existisse, mas quando se viu prestes a receber o castigo que merecia, ele se atreveu a dizer que Deus o tinha conservado para velar por seu pai. Varo, vendo que ele não respondia às perguntas que lhe eram feitas e que ele continuava somente a invocar a Deus, ordenou que trouxessem o veneno, de que se havia falado no processo para que dele se experimentasse a força. Trouxeram-no e ele o fez beber a um homem condenado à morte, o qual apenas o sorveu, caiu morto. Dissolveu então a assembléia e no dia seguinte voltou a Antioquia onde costumava permanecer, porque era a cidade onde os reis da Síria tinham habitualmente sua corte.
736. Herodes mandou no mesmo instante meter Antípatro numa prisão, sem que se soubesse que a resolução ia tomar ou já tomara, com Varo, sobre aquele assunto, mas a maior parte julgava que ele nada faria, sem seu parecer. Escreveu em seguida a Augusto e ordenou aos que lhe deviam apresentar as cartas, que hoje o informassem à viva voz dos crimes cometidos por seu filho. Nesse mesmo tempo, interceptou-se uma carta que AntiFílon escrevia do Egito a Antípatro. Herodes mandou abri-la e encontrou estas palavras: "Eu vos mandei uma carta de Acmé, em que vai a minha vida, pois não duvideis de que se fosse conhecida eu atrairia sobre mim um ódio mortal de duas mui poderosas famílias. Toca a vós dar ordem para que o negócio tenha bom êxito". Herodes leu esta carta, mandou procurar a outra de que falava, mas não a pôde encontrar e o servidor de AntiFílon afirmava não ter trazido outra que não aquela que eles tinham em mãos. Enquanto estavam assim, nessa ansiedade, um dos amigos do rei descobriu uma costura na túnica do servo e pensou que ali poderia estar escondida a carta. Sua suposição não o enganou; acharam-na e assim estava redigida: Acmé a Antípatro: "Escrevi ao rei, vosso pai, do modo como desejáveis e incluí uma cópia da carta suposta de ter sido escrita à imperatriz, minha senhora, por Salomé. Estou certo de que apenas ele ler castigá-la-á como culpada, por ter tentado contra sua vida." O conteúdo da carta, falsamente atribuída a Salomé, tinha sido imaginado por Antipatro, mas ele tinha deixado a Acmé para que exprimisse o seu pensamento com sua maneira ordinária de escrever. Quanto à carta de Acmé a Herodes, assim estava escrita: "Tendo, Majestade, encontrado uma carta, escrita por Salomé à imperatriz, minha senhora, pela qual ela a suplicava de fazer de modo que ela possa desposar Silleu, o cuidado, que eu sou obrigado a ter no que respeita o vosso serviço, fez-me copiá-la e vo-la enviar. Far-me-eis o favor de queimá-la, porque corre perigo minha vida." Assim, a carta. Mas o que Acmé escrevia a Antipatro desvendava toda a trama, porque pareceria que ele nada tinha feito que por sua ordem e para perder Salomé. Acmé, que era judeu de nascimento, estava a serviço da imperatriz e tinha vendido muito caro a Antipatro a sua mediação. Herodes soube assim de toda a maldade de seu filho, que chegava a tal excesso, pois não se contentando, de atentar contra a vida de seu pai, de ter querido também perder à sua tia Salomé, de ter enchido toda a família de confusão e per-turbação, tinha mesmo levado a corrupção até a corte de Augusto. Tantos crimes juntos causaram-lhe tal horror, que pouco faltou que ele não morresse naquele mesmo instante. Salomé excitava-o e clamava, batendo no peito, que estava pronta a sofrer a morte, se ele julgava que ela lhe tinha faltado à fidelidade. Herodes mandou chamar Antipatro e ordenou-lhe que dissesse sem temor, se tinha alguma coisa a alegar em sua defesa. Ele nada respondeu e então ele pediu-lhe, que, pelo menos declarasse que eram seus cúmplices. Ele falou de AntiFílon somente. Veio então a Herodes o pensamento de mandá-lo a Roma para ser julgado por Augusto, mas teve receio de que os amigos de Antipatro o salvassem pelo caminho. Assim, tornou a enviá-lo à prisão, atado como estava e escreveu a Augusto para informá-lo do seu crime, encarregando seus embai-xadores de lhe contar como ele havia conquistado Acmé e de lhe mostrar as cópias das cartas que ele tinha escrito.


Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.


Reações:

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario