Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

10 de agosto de 2019

Homilética - Teologia 33.22 Jerusalém e seu templo. Dicionários

Homilética - Teologia 33.22


Jerusalém e seu templo.

Dicionários
Na exegese bíblica, o uso de bons dicionários é indispensável para que sejam obtidos resultados claros, seguros e atualizados. Os dicionários foram elaborados por teólogos de renome internacional, que dominam bem as línguas originais das Escrituras Sagradas e possuem um vasto conhecimento teológico, histórico, cultural e arqueológico. Faremos menção de algumas obras de destaque, como segue:
O Novo Dicionário da Bíblia (NDB), publicado em 1962 por Edições Vida Nova, é a versão em língua portuguesa do The New Bible Dictionary, editado pela Tyndale Fellowship for Biblical Research, em associação com a Inter-Varsity Fellowship (ABU). O NDB é um tesouro de conhecimento bíblico, reunindo os resultados especializados de uma equipe de 139 eruditos entre os maiores do atual mundo evangélico. Profunda pesquisa contemporânea e originalidade destacam-se em cada página. NDB, v. I, p. 5. O NDB já foi publicado em francês, espanhol, português e alemão.
A Pequena Enciclopédia Bíblica de O. S. Boyer, combina em uma só obra um dicionário (definindo quase todos os vocábulos bíblicos), uma chave bíblica, uma introdução breve aos 66 livros da Bíblia, um atlas bíblico simples e uma mini-enciclopédia bíblica. A primeira edição em português foi lançada em 1966, pela Imprensa Metodista de São Paulo. A grande vantagem desta obra magnífica consiste em sua brevidade, precisão e simplicidade. Por sua originalidade prática e seu preço razoável, a obra ganhou muitos adeptos e leitores entre os leigos brasileiros, embora mostre muita dependência do NDB.
Após mais de dez anos de pesquisa bíblica, o Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento (NDITNT) surgiu pela primeira vez em 1965, na Alemanha, editado por Lothar Coenen. Este volume tem se estabelecido como obra padrão de referência entre teólogos, ministros, estudantes e todos aqueles que se preocupam com um entendimento mais preciso dos ensinos da Bíblia. NDITNT, vol. I, p. 11.
A obra original alemã foi traduzida, ampliada e editada por eruditos evangélicos da Inglaterra e da América do Norte, em 1975. A versão portuguesa, traduzida por Gordon Chown, surgiu entre 1981-1984, em quatro volumes. Para o bom uso desta volumosa obra exegética, devem ser lembradas algumas informações quanto à estrutura geral, escopo e transliteração.
A obra inteira é dividida em artigos tendo títulos em português dispostos em ordem alfabética. Estes, por sua vez, contêm um ou mais estudos dos termos relevantes no grego do Novo Testamento, agrupados em palavras-chaves. Assim, o artigo sobre Batismo, Lavar divide-se em estudos separados conforme as palavras-chaves gregas baptizo, louo, e nipto. Para ajudar a fácil referência, a palavra-chave em grego é colocada numa caixa no início do estudo... Em cada caso, seguem-se as formas principais das palavras gregas associadas e seus cognatos, que são citadas tanto em letras gregas como em transliteração, juntamente com seus equivalentes básicos lexicográficos.
Cada artigo é dividido em três seções principais, caracterizadas pelas letras CL, indicando uma discussão da palavra em grego clássico e secular, AT, conforme o emprego no Antigo Testamento, e NT, tratando com o uso no Novo Testamento...
O mesmo método de estudo é seguido para cada palavra-chave grega separada, excetuando-se ocasionalmente quando a palavra não ocorrer ou não for relevante em grego secular (como no caso de certos nomes próprios) ou no Antigo Testamento. Bibliografias se acrescentam a todos os artigos de maiores proporções...
O dicionário é expressamente teológico em sua intenção. Informações históricas, geográficas e arqueológicas, que são apropriadas num dicionário geral da Bíblia, aqui se incluem à medida em que são teologicamente relevantes. A ênfase principal recai sobre a elucidação de termos. Por esta razão, este dicionário não faz nenhuma tentativa no sentido de resumir a teologia de Paulo, João ou dos evangelhos sinópticos, nem de pesquisar as influências sobre os escritores individuais como sendo objetos de estudo. Mesmo assim, atenção é dada ao ponto de vista distintivo que qualquer escritor específico possa ter com relação a termos particulares. Certo número de nomes próprios foi incluído na proporção em que têm significado teológico especial no Novo Testamento...
Este dicionário é planejado para ser empregado tanto pelo estudante de grego quanto por aqueles que não têm nenhuma base anterior em línguas antigas. Por esta razão, todas as palavras em grego e hebraico são citadas em transliteração. As palavras gregas são dadas em letras gregas com a apropriada transliteração no título de cada palavra-chave grega. Daí por diante, somente as transliterações aparecem. As palavras hebraicas são citadas em transliteração somente. Uma chave às transliterações é dada na página 49. NDITNT, vol. I, pp. 12-13.
O Léxico do Novo Testamento Grego/Português. Em 1952, W. Bauer, professor em Göttingen, publicou a volumosa e acadêmica obra Griechisch-Deutsches Wörterbuch zu den Schriften des Neuen Testaments und der übrigen urchristlichen Literatur, contendo 1.780 colunas. Logo, o léxico ganhou fama mundial por sua extensa pesquisa e erudição científica, sendo traduzido para o inglês, em 1957, e reeditado em 1979. Em 1984, surgiu a versão abreviada em língua portuguesa, com 232 páginas, editada por Vida Nova, numa tradução de Júlio Paulo Tavares Zabatiero.
O alvo desta versão é fornecer os significados dos vocábulos gregos sem entrar em discussões de hermenêutica e teologia. GeD, p. 5.
Comentários
Da mesma forma como o aluno da Palavra de Deus precisa do professor, o professor nas Escrituras precisa de professores. PB, p. 44.
Os comentários oferecem amplas informações sobre antecedentes históricos, culturais e lingüísticos do texto bíblico, bem como questões teológicas e filosóficas, que se mostram práticas e relevantes na história da teologia ou no pensamento da atualidade. Os comentários escritos por eruditos evangélicos conservadores foram elaborados por homens de fé, com o intuito de servir a igreja de nosso Senhor Jesus Cristo.
Em português, os comentários evangélicos mais conhecidos e disponíveis são:
- O Novo Comentário da Bíblia (Edições Vida Nova)
- A Série Cultura Bíblica (Edições Vida Nova)
- O Comentário Bíblico Moody (Impresa Batista Regular)
- O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo (Milenium)
- O Comentário Bíblico Broadman (JUERP)
- A Bíblia Fala Hoje (ABU)
- A Bíblia Explicada (CPAD)
É bom verificar alguns aspectos antes de comprar um comentário:
a) Veja se a série é de confiança evangélica. Isto se percebe pelo nome do autor, pela observação do conteúdo ou pela editora que o publica.
b) Recomenda-se, num primeiro momento, a aquisição de apenas uma série de comentários, talvez os seis volumes de O Novo Testamento Interpretado Versículo por Versículo. Posteriormente, é bom escolher uma série alternativa, para não depender de uma só tendência teológica.
c) Ao entrar para o ministério, é aconselhável comprar comentários de várias editoras evangélicas, mas sempre seletivamente, e relacionar a compra com o livro bíblico que está sendo exposto na igreja.
A Chave Lingüística do Novo Testamento Grego é um comentário especial. Esta obra, de Fritz Rienecker e Cleon Rogers, surgiu pela primeira vez na Alemanha, em 1938.
Fritz Rienecker, ex-diretor da Academia Evangélica de Giessen, autor de um famoso comentário conservador sobre o evangelho de Lucas, professor de grego e exegese bíblica no Seminário Teológico de St. Chrischona, em Basiléia, na Suíça, faleceu antes de ter conseguido publicar duas outras chaves, uma de conceitos teológicos e outra histórico-cultural. Mais de 90.000 chaves lingüísticas da edição alemã foram vendidas, devido à sua alta popularidade entre pastores, pregadores, professores e seminaristas. Em 1982, surgiu a versão inglesa de Cleon Rogers e, em 1985, foi publicada a edição brasileira.
A Chave Lingüística do Novo Testamento Grego foi preparada para eliminar ao máximo as barreiras enfrentadas pelos que já estudaram um ou mais anos de grego, mas que continuam a sentir dificuldades em ler e aproveitar o texto inspirado. A Chave foi idealizada para poupar o trabalho moroso de buscar palavras menos comuns no léxico e respostas sobre sintaxe nas gramáticas. F. Rienecker e C. Rogers, Chave Lingüística do Novo Testamento Grego (São Paulo: Edições Vida Nova, 1985), p. viii.

Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA
.


Reações:

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario