Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

7 de janeiro de 2022

História De Israel – Teologia 31.297 (2º Parte Livro 1) CAPÍTULO 15 ANTÔNIO É VENCIDO POR AUGUSTO NA BATALHA DE ÁCCIO. HERODES VAI PROCURAR AUGUSTO E FALA-LHE COM TANTA GENEROSIDADE QUE LHE CONQUISTA A AMIZADE;HERODES O RECEBE EM PTOLEMAIDA COM TANTA MAGNIFICÊNCIA QUE AUGUSTO AUMENTA DE MUITO SEU REINO. *

História De Israel – Teologia 31.297

(2º Parte Livro 1)

CAPÍTULO 15

ANTÔNIO É VENCIDO POR AUGUSTO NA BATALHA DE ÁCCIO. HERODES VAI

PROCURAR AUGUSTO E FALA-LHE COM TANTA GENEROSIDADE QUE LHE

CONQUISTA A AMIZADE;HERODES O RECEBE EM PTOLEMAIDA COM TANTA

MAGNIFICÊNCIA QUE AUGUSTO AUMENTA DE MUITO SEU REINO. *

 

_____________________________

*Este registro também se encontra no Livro Décimo Quinto, capítulos 9, 10, 11 e 1 3, Antigüidades judaicas, Parte I.

 

81. A alegria que Herodes sentiu por este resultado tão glorioso foi ofuscada pela notícia da vitória obtida por Augusto em Áccio e, então, tudo ele veio a temer por causa da sua amizade com Antônio. Mas o perigo não era tão grande como ele imaginava, pois Augusto não podia considerar Antônio completamente perdido, enquanto esse príncipe continuasse ligado ao seu partido. Em tal reviravolta da sorte, Herodes julgou-se obrigado a ir procurar Augusto em Rodes, comparecendo à sua presença, sem coroa, mas com majestade real; sem nada dissimular da verdade, falou-lhe assim: "Confesso, grande príncipe, que devo a minha coroa a Antônio e vós tendes notado que não lhe fui um rei inútil, se a guerra em que eu estava empenhado contra os árabes não me tivesse impedido de juntar minhas armas às deles. Não podendo fazê-lo, ajudei-o com trigo e tudo o que estava em meu poder. Não o abandonei nem mesmo depois da batalha de Áccio, porque o reconheço como meu benfeitor. Se eu não o pude servir na guerra, combatendo por ele como eu desejara fazê-lo, dei-lhe, contudo, bons conselhos, fazendo-lhe ver que o único meio de restaurar seus interesse era fazer morrer Cleópatra; nesse caso eu lhe oferecia dinheiro, praças, tropas e minha pessoa, para que ele continuasse a vos fazer guerra. Mas sua cega paixão por aquela princesa e a vontade de Deus que vos quer entregar o império do mundo, não lhe permitiram escutar uma proposta que lhe teria sido vantajosa. Assim eu me vejo vencido com ele; e vendo-o precipitado de tão alta posição, tirei de minha cabeça a coroa para vir à vossa presença, baseando a esperança da minha salvação apenas sobre minha virtude e na constatação que podereis fazer de minha fidelidade para com meus amigos."

Herodes assim falou, e Augusto respondeu-lhe: "Vós não somente nada deveis temer, mas, ao contrário, vos deveis sentir mais firme e seguro do que nunca, em vosso reino, pois vossa fidelidade para com vossos amigos vos torna digno de reinar. Eu aprecio tanto a vossa generosidade que só me resta desejar que não tenhais menor afeto por aqueles que são favorecidos pela fortuna do que o tendes conservado para com os infelizes; eu não poderia censurar a Antônio de ter desejado mais a Cleopatra do que aos vossos conselhos, pois que devo à sua imprudência o vosso afeto por mim. Já começastes a mo demonstrar, enviando a Ventídio auxílio contra os gladiadores, que abraçaram o partido de Antônio. Por isso, não duvideis de que eu não vos faça confirmar em vosso reino, por um decreto do Senado e de que eu não sinta prazer em vos dar provas de minha amizade, tanto que não sentireis mais a infelicidade de Antônio."

Após esta resposta, tão auspiciosa, Augusto recolocou a coroa sobre a cabeça de Herodes e o confirmou no reino por um ato, no qual falava dele de maneira muito lisonjeira. Esse rei dos judeus, depois de lhe ter dado grandes presentes, rogou-lhe que concedesse a graça a um dos amigos de Antônio, de nome Alexandre; mas o encontrou tão irritado contra ele por causa de ofensas que, diziam, havia dele recebido, que não lhe foi possível obtê-la.

82. Quando Augusto passou da Síria ao Egito, Herodes o recebeu em Ptolemaida, com incrível magnificência; quando esse grande príncipe passava em revistas as tropas, ele o fazia marchar a cavalo, junto de si. Não foi somente com suntuosos banquetes que Herodes lhe manifestou e aos seus amigos que ele tinha realmente uma alma de rei; mandou dar ao seu exército, quando este foi a Pelusa, víveres em abundância e o proveu, ao seu regresso, nos lugares secos e áridos, não somente de água, mas de tudo o de que ele poderia necessitar. Tão nobre maneira de agir granjeou-lhe tal reputação de generosidade no espírito de Augusto e de todos os seus soldados, que eles diziam que o reino da judéia não era bastante grande para tão grande príncipe. Dessa forma, depois da morte de Cleopatra e de Antônio, Augusto foi ao Egito e deu-lhe quatrocentos gauleses, que serviam de guardas à princesa, acrescentou novas honras às que já lhe havia concedido, cedeu-lhe aquela parte da Judéia que Antônio tinha dado a Cleopatra, como também as cidades de Gadara, Hipom, Samaria, e, à beira-mar, Gaza, Antedom, Jope e a torre de Estratão. A liberalidade de Augusto não se limitou a isso. Para mostrar-lhe até que ponto ia a sua estima pelo mérito desse príncipe, deu-lhe também a Traconítida e a Batanéia, acrescentando ainda a Auranita, pelo fato que passo a narrar: Zenodoro, que tinha tomado as terras de Lisânias, mandava continuamente homens da Traconítida, para saquear os bens dos de Damasco. Eles foram queixar-se a Varo, governador da Síria, e rogaram-lhe que informasse ao imperador. Ele o fez e Augusto deu-lhe ordens de exterminar aqueles salteadores. Varo executou a ordem e confiscou os bens de Zenodoro; Augusto deu-os a Herodes, para que aquele país não pudesse, no futuro, servir ainda de refúgio aos ladrões, e o fez, ao mesmo tempo, governador da Síria. Dez anos mais tarde, esse poderoso imperador voltou àquela província, proibiu a todos os governadores fazer algo sem o conselho de Herodes e depois que Zenodoro morreu, deu-lhe todas as terras que estão entre a Traconítida e a Galileia. Mas o que Herodes estimava mais que tudo era que Augusto a ninguém mais estimava do que ele, depois de Agripa, e Agripa, a nenhum outro estimava mais, depois de Augusto, do que ele. Quando se viu elevado ao auge da prosperidade, mostrou a grandeza de sua alma, pelo empreendimento maior e mais santo que se possa imaginar.

 

Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento

Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura

Custo:O Leitor não paga Nada, 

Você APENAS DIVULGA

E COMPARTILHA

.

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario