Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

4 de agosto de 2013

Apologética - Teologia 04.47 - Na Arqueologia

Apologética - Teologia 04.47


2.4.9.10. Na Arqueologia 

C. Leonard Woolley desenterrou Ur dos Caldeus, pertencente à adiantadíssima civilização sumeriana. 
Descobriu, nas escavações, entre maravilhosos tesouros de cultura, o cemitério real de Ur. 
Em duas temporadas (1927-28 e 1928-29), uma vez concluídas as escavações do cemitério real, os trabalhadores limparam as ferramentas e disseram a Woolley: “pronto, chegamos ao fim”. E Woolley prossegue ... E logo ao examinar os bordes do poço, inclinei-me a dar-lhes razão; a seguir, dei-me conta de que nos encontrávamos alto demais. 
Não era concebível que a ilha em que edificaram a primeira cidade estivesse num nível tão elevado comparado com o que deve ter sido o nível do pântano; determinei medidas e ordenei que os operários aprofundassem o poço. 
A argila continuou limpa. 
Encontramos um osso, que deve ter sido arrastado com a argila do curso superior do rio. 

A espessura da argila atingiu a dois metros e meio. 
Repentinamente, tudo mudou. 
Terminou a argila limpa e outra vez nos encontramos com resíduos misturados com utensílios de pedra, fragmentos de pederneiras com que se lavrava ferramenta e objetos de cerâmica. 

“Exatamente aqui houve uma mudança notável. 
Em lugar dos jarros que encontramos na parte superior da argila e das sepulturas, apareceram fragmentos dos objetos feitos e pintados à mão, característicos da aldeia pré-sumeriana de Ubaid; e os objetos de pederneiras, evidentemente foram fabricados aqui, eram semelhantes aos de Ubaid. 
Isto contribuiu também para diferenciar este extrato de outros superiores, onde raramente se encontrou pederneira. 
Na grossa camada de argila marcava, se é que não foi sua causa, uma interrupção na continuidade da história.”

Woolley encontrou no meio das pederneiras um tijolo de argila cozida, diferente no tamanho e na forma de todos os encontrados nas camadas superiores. 
Pertencia, sem dúvida alguma, a um período desconhecido. 
Era mais antigo dos que tínhamos encontrado até então. 
Ficou demonstrado, então, que na época de mistura cultural, Ur não era, como Ubaid, uma aldeia de casinhas de barro e de palha, mas uma cidade de edifícios permanentes, solidamente construídos, berço de um povo civilizado.

Woolley disse que entendeu logo que a grossa camada de argila fora depositada por uma inundação sem paralelo na história. 
Nenhum rio, por grande que fosse, nem inundação pequena, podia ter deixado aquele banco de argila. 
Isto marcou uma interrupção no curso da história local. 
Nessa argila se esconde uma civilização que existiu, mas desapareceu. 
Encontramos nessa camada de argila, sem dúvida alguma, as provas do dilúvio. 
Woolley mandou cavar a 275 m a noroeste de onde explorava, e lá estava o mesmo banco de argila. “E debaixo da argila, estavam pederneiras e vasos pintados dos habitantes pré-sumerianos. 
A uns cinco metros abaixo de um pavimento de tijolos, que podíamos determinar com certeza, uma data correspondente a uma época não posterior à das sepulturas reais, deparamo-nos às ruínas da cidade de Ur, que existiu antes do dilúvio”.


Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA
E COMPARTILHA

Reações:
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...