Estamos em Manutenção # We are in Maintenance Bem Vindos a Este Espaço # Welcome to This Space

2 de março de 2017

Geografia Bíblica - Teologia 25.133 - Rio Jordão

Geografia Bíblica - Teologia 25.133
 
2.1 - Rio Jordão

O rio Jordão tem três fontes: Banias, Dan e Hasbani. Elas não nascem em território israelense; começam a correr no monte Hermom, localizado na Síria. Em hebrai­co, "Jordão" significa decl          ive ou o que desce, por causa de seu vertiginoso curso: do cume do Monte Hermom à mais profunda depressão do planeta - o mar Morto.



Mapa das cabeceiras do rio Jordão

Não obstante a sua importância histórica, o Jordão é um rio pequeno. Tem 252 quilômetros de extensão, levan­do-se em conta os seus infindos meandros.
Oswaldo Ronis fala acerca do estranho curso desse rio essencialmente palestínico: "Costuma-se dividir o curso do Jordão em três trechos para um estudo mais detalhado: - 0 PRIMEIRO TRECHO, ou seja, a região das nascentes, é a que acabamos de descrever nos seus aspectos mais setentrionais e que vai até o lago de Merom. Depois da jun­ção das quatro nascentes, o Jordão atravessa uma planície pantanosa em uma extensão de 11 quilômetros e entra no lago de Merom. Neste trecho, a sua largura varia muito e a profundidade vai a 3 e 4 metros -


O SEGUNDO TRECHO também chamado o Jordão superior, compreende o rio en­tre o lago de Meron e o mar da Galiléia, extensão esta de cerca de 20 quilômetros. É um trecho quase reto, com um declive de 225 metros, o que forma as suas águas impetuo­sas e provoca um enorme trabalho de erosão. A força da impetuosidade das águas do Jordão neste trecho é tanta que quase 20 quilômetros mar da Galiléia adentro ainda se percebe a sua correnteza. Neste trecho, o terreno é rochoso, de vegetação média, e a largura do rio varia entre 8 e 15 metros. - O TERCEIRO TRECHO, ou o Jordão interior estende-se do mar da Galiléia ao mar Morto numa distân­cia de 117 quilômetros em linha reta e cerca de 340 quilô­metros pelo leito sinuoso do rio, tendo uma largura que va­ria entre 25 e 35 metros, e l a 4 metros de profundidade. Este trecho sofre um declive de 200 metros pelo qual o rio desce precipitadamente, formando numerosos meandros e cascatas e alargando o vale até 15 quilômetros, como ocor­re na altura de Jerico. Este vale é limitado quase em toda a sua extensão por verdadeiras muralhas de rocha calcária, o que torna muito difícil a sua travessia. Até o tempo dos ro­manos, não havia pontes sobre o Jordão. De modo que a sua travessia era feita em certos lugares de margens mais rasas e águas menos profundas, chamados vaus. Um des­ses vaus ficava defronte de Jerico, outro perto da desembo­cadura do rio Jaboque, e o terceiro nas proximidades de Sucot."
Havia, nos tempos bíblicos, grande floresta às mar­gens do rio Jordão. Segundo depreendemos de alguns tex­tos bíblicos, nesses frondosos bosques havia até leões. Ho­je, porém, a região encontra-se desnuda e, praticamente, morta. Com muita dificuldade, consegue-se encontrar tamareiras, palmeiras e tamargueiras nessa aridificada área.
Eis como o rio Jordão é mencionado pela primeira vez nas Sagradas Escrituras: "E levantou Ló os seus olhos, e viu toda a campina do Jordão, que era toda bem regada, antes de o Senhor ter destruído Sodoma e Gomorra, e era como o jardim do Senhor, como a terra do Egito quando se entra em Zoar. Então Lô escolheu para si toda a campina do Jordão, e partiu Ló para o Oriente, e apartaram-se um do outro" (Gn 13.10 e 11).
Abraão, Isaque e Jacó tornaram-se íntimos do Jordão. As águas desse rio abriram-se para o povo de Deus con­quistar Canaã. Mostrando-se perene e, resistindo a todas as intempéries, o Jordão sempre esteve ligado à história de Israel. Foi em seu leito que Naamã viu-se livre da lepra. Às margens do milenar Jordão, João Batista batizou o Filho de Deus.
O Jordão não é um rio atraente. Do ponto de vista hu­mano, Naamã tinha toda a razão em não querer banhar-se em suas escuras e barrentas águas. Afinal de contas, na terra natal desse corajoso general, havia cristalinos ria­chos. Não bastasse sua falta de beleza natural, nas imedia­ções do Jordão, o clima é quente e sufocante.
El-Seri-Ah al-Kabirah é o nome árabe do rio Jordão. Eis o seu significado: o grande bebedouro. Por que essa de­signação? Em virtude, talvez, do grande volume de águas que lança no mar Morto: 17.280.000 m por dia. O Jordão não é navegável, mas, serviu de área defensável a Israel durante vários séculos.


Que o Santo Espirito do Senhor, ilumine o nosso entendimento
Não perca tempo, Indique esta maravilhosa Leitura
Custo:O Leitor não paga Nada, 
Você APENAS DIVULGA

E COMPARTILHA

Reações:

0 Comentários :

Postar um comentário

Deus abençoe seu Comentario

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...